# Professor da USP fala neste episódio do podcast 15 Minutos sobre como é a indústria de vacinas no Brasil e por que nenhuma multinacional produz aqui

***) O Brasil mal iniciou a campanha de vacinação contra a Covid-19 e já passou a enfrentar o medo da falta de vacinas para continuar o processo. Resultado de problemas na negociação das doses, da alta demanda global mas, também, de dificuldades em desenvolver as vacinas em território nacional.

É bem verdade que a última notícia é mais otimista: os insumos finalmente devem vir da China, tanto para a produção da Coronavac, no Butantan, quanto da vacina de Oxford/AstraZeneca, na Fiocruz. Mesmo assim, estamos atrasados.

Produção de vacinas no Brasil

Esses impasses na continuidade da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, por conta dos atrasos na importação de insumos, são sintomas de um processo de precarização que a produção de vacinas no país vem sofrendo nos últimos anos.

Segundo especialistas, aliás, o caso da vacina contra o novo coronavírus não é isolado, e a falta de investimento público ameaça o sucesso histórico do Brasil em campanhas de imunização.

Este episódio do podcast 15 Minutos fala sobre como é a indústria de vacinas no Brasil e por que nenhuma multinacional produz aqui. O convidado pra analisar o assunto é Marco Antônio Stephano, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP).

***
O podcast 15 minutos é um espaço para discussão de assuntos importantes, sempre com análise e a participação da equipe de jornalistas da Gazeta do Povo. De segunda a sexta, de forma leve e dinâmica, com a duração que cabe na correria do seu dia. Apresentação é do jornalista Márcio Miranda. O programa é publicado no Spotify, Google Podcast, Deezer e no iTunes.

***
Ficha técnica: ‘15 minutos’, podcast de notícias da Gazeta do Povo #Apresentação e roteiro: Márcio Miranda; direção de conteúdo: Rodrigo Fernandes; equipe de produção: Maria Eduarda Scroccaro, Jenifer Ribeiro e Durval Ramos; montagem: Leonardo Bechtloff; identidade visual: Gabriela Salazar; estratégia de distribuição: Gladson Angeli e Marcus Ayres.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]