i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

A tragédia do pensamento coletivista

  • PorAlex Pipkin
  • 23/12/2020 12:27
A tragédia do pensamento coletivista
| Foto:

Por Alex Pipkin, publicado pelo Instituto Liberal

O ano de 2020 marca o início de um novo tempo, desastroso, do foco na irrealidade e no acessório. Desgosto dos gurus das novas tendências e da enfadonha retórica sobre o novo normal de uma era pandêmica e de pós-vírus.

Genuinamente vivemos, e viveremos, pragmaticamente um novo ANORMAL, recheado de juras de preocupação com o outro, de altruísmo, de filantropia, mas de verdadeira ode ao coletivismo, prejudicial ao progresso e ao desenvolvimento de todos. 2020 foi o início sem igual do protagonismo do coletivo acima do individual, do valor supremo do indivíduo, e que fez a humanidade avançar e prosperar em todas as esferas da vida humana.

A pandemia exacerbou a suprema “preocupação” estatal com a “saúde” do coletivo. Uma série de medidas “bem-intencionadas” foram implementadas sob a justificação de que “é para o seu bem”. Não saia de casa, não procure contato com o ar puro e com a necessária vitamina D; mantenha-se afastado de outras pessoas para não ser contaminado nem contaminar.

É pertinente reforçar que o vírus é real e seu poder de contaminação elevado. Não se trata de negacionismo. Entretanto, uma coisa é o respeito e o seguimento dos protocolos de saúde e segurança estabelecidos. Outra, bem distinta, é a imposição estatal do fechamento da economia, supostamente para proteger a saúde física da população (esqueceu-se da saúde econômica e social).

A ordem é ser humano e pensar no coletivo. Portanto, o indivíduo foi privado de trabalhar e garantir o seu sustento e de sua família, teve seu acesso bloqueado a parques ao ar livre, foi proibido de praticar esportes e, inclusive, chegou-se ao cúmulo de sofrer ameaças de prisão por trabalhar e de invasão policial à sua propriedade caso estivesse com “estranhos”. Fique em casa rezando, porém, é proibido frequentar sua igreja, sinagoga…

O mantra: não se preocupe consigo mesmo, pense na humanidade do coletivo e do seu bem. Um ano em que emergiu como nunca antes a consciência coletiva contra o racismo estrutural. Aqui e acolá, ecoou o “vidas negras importam”. A narrativa identitária intolerante, que parte da premissa equivocada de que os seres humanos são definidos por sua fisionomia, pela sua cor, foi comprada e endossada por líderes sociais, empresariais, políticos e parte da “bondosa” população.

Nem o terrível vírus foi capaz de impedir manifestações e aglomerações provocadas por gente que foi às ruas afirmar que vidas negras importam. Inacreditavelmente, o establishment se converteu à Bíblia grupal da danosa e iníqua preocupação com grupos minoritários, em detrimento da saudável lógica de que todas as vidas humanas importam. Nunca a grande mídia operou tão eficientemente na direção de doutrinar sobre tal falácia destruidora.

Mais do que isso, todos eles se voltaram contra – consciente e inconscientemente – a virtuosa preocupação com o ser individual – concreto -, ao invés do abstrato coletivo de um determinado grupo específico. Ironicamente, quanto mais diferenças identitárias são enfatizadas e são pleiteados direitos grupais, menor é a probabilidade de que os outros se sintam indignados com as injustiças que sofrem tais grupos.

Foi o ano do ápice do coro em favor do coletivismo econômico, da nobre ajuda aos descamisados, justa, porém acompanhada do ódio e do rancor ao espírito empreendedor, do verdadeiro estímulo à liberdade e ao talento humano individual para empreender e estabelecer relacionamentos colaborativos e voluntários com outras pessoas no mercado.

De forma inatacável, foi o ano glorioso do massivo ataque ao capitalismo, o comprovado sistema econômico capaz de gerar a riqueza que, compulsoriamente, precisa ser criada, a fim de que seja possível distribuí-la de maneira racional e inteligente. Terá sido o início do fim?

De forma grotesca, assistimos impotentes ao abandono das ideias de progresso comprovado, aquelas lógicas que nunca poderiam ser descartadas e que deveriam nortear os incentivos, ou seja, a essência da liberdade individual, da autonomia pessoal, da razão, do conhecimento e da ciência e, acima de tudo, do protagonismo do indivíduo frente ao coletivo!

Sem tais ideias e ideais liberais, da liberdade individual da ação humana com suas respectivas responsabilidades, não creio que nosso futuro seja promissor. O foco no coletivo sem rosto é e tem sido perigoso e improdutivo. Ninguém enxerga o que não se vê! Parece mesmo que estamos caminhando para o abismo – abismo este de uma universidade que não educa, mas doutrina, e discrimina pela diversidade, de uma empresa que desfoca da maximização dos lucros, em prol da mesma diversidade, exclusivamente calcada na cor e no gênero, e na ovação do capitalismo das partes interessadas, de uma política que se centra nas “facilidades” para o coletivo e seus (des)incentivos perversos, e de uma mídia que não noticia os fatos, mas faz apologia ao genuíno racha social.

Bem, o foco no grupal, ironicamente, faz com que os vários e distintos grupos minoritários exijam e passem factualmente a serem tratados de forma diferente, destruindo os valores igualitários necessários a uma real cidadania. Enfim, 2020 foi o ano em que não se perdeu um minuto para perder de vista a base do sucesso da civilização ocidental: O VALOR DO INDIVÍDUO! O novo ano ainda pode ser pior: o pensamento e as ações coletivistas irão nos engolir.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    Elza Silva

    ± 6 horas

    Rodrigo Constantino, obrigada pelo seu talento, e pela sua generosidade em trazer textos relevantes para a sua coluna, mesmo não sendo seus. Infelizmente tem pessoas que não tem alcance, e outras, são de fato instrumentos da ditadura de pensamento raso e único que impera na nossa sociedade. Continue por favor, precisamos de informação de qualidade que se oponha a esse ruido insuportável que hoje faz a esquerda brasileira.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      Leonardo Alves

      ± 21 horas

      Escuta, o Rodrigo constantino arrenda seu espaço no jornal para os coleguinhas do instituto liberal, é isso ??

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • S

        Saber é poder

        26/12/2020 0:41:52

        Geralmente eu entro aqui para ler os textos do Constantino - ou para xingar a esquerdalha fracassada. Mas, hoje está fraco o movimento. Abraço aos cidadãos direita de bem e p********************** para os demais.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          ARMANDO DA SILVA LIMA

          25/12/2020 15:12:02

          E eu com isso ,não sou coveiro.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • E

            Eden Lopes Feldman

            25/12/2020 11:55:14

            Excelente artigo, realista e que traz a verdade que incomoda aos membros do estado que tomaram o caminho fácil da simplificação do lockdown, trazendo artistas, funcionários públicos e ativistas como garotos-propaganda . Enquanto que nas residências humildes todos continuaram amontoados. O Brasil se converteu no país das cotas capitaneado pelo progressismo inútil, que embora tenha uma parcela mínima de apoio da população acaba sendo influente por causa de uma mídia retrógrada e políticos ainda desconectados da realidade. O choque da gestão Bolsonaro na opinião pública deve produzir uma necessária renovação do sistema político brasileiro. Principalmente pelas redes sociais, sem demagogia.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • R

              ROBERTO

              24/12/2020 13:43:43

              Nunca entendi porque o Olavo de Carvalho chamava o Constantino de Coco, mas com esse texto raso e com o mais do mesmo entendi

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              2 Respostas
              • R

                ROBERTO

                25/12/2020 8:41:59

                Bom o analfabeto aqui não sou eu e sim sua excelência ,quando que no meu comentário eu falei que texto era dele??seu burro dize que não sabia o porquê o Olavo chamava ele de coco...e que entendi ...então seu puxa **** vai TNC

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

              • L

                LSB

                24/12/2020 19:11:09

                Prezado analfabeto funcional: o texto NÃO é do Constantino (ele só o reproduziu aqui). Assim, a única crítica cabível é que ele teria escolhido um artigo ruim (todavia, acrescento que o texto não é ruim; pelo contrário, é excelente. No mais, é seu direito achar ruim, mas o que se pode esperar da avaliação de quem sequer consegue identificar o autor?)

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

            • F

              Freitas

              23/12/2020 15:48:59

              “O governo do Chile já comprou doses suficientes de vacinas contra a Covid-19 para imunizar todos os seus 18 milhões de habitantes. A informação foi publicada nesta terça (22) pela Bloomberg.O Chile assegurou 36 milhões de doses. Dessas, são 10 milhões da Pfizer/BioNTech, 10 milhões da Sinovac, 4 milhões da AstraZeneca/Oxford e 4 milhões da Johnson & Johnson. Fechando a conta, o Chile também assegurou quase 8 milhões de doses do programa COVAX, coordenado pela OMS e outras instituições.A expectativa do governo é começar a vacinar trabalhadores de saúde com a vacina da Pfizer ainda neste mês.”

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              Fim dos comentários.