Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

6 lixos acadêmicos custeados por você – segunda parte

0

Por Luan Sperandio, publicado pelo Instituto Liberal

Este texto foi divido em duas partes, para ler a primeira clique aqui.

4) Você pagou para problematizarem o sertanejo universitário

A música é uma manifestação artística e, como tal, representa uma configuração social. Dessa forma, o conteúdo e forma das composições refletem mudanças culturais que ocorrem na sociedade.

Assim, enquanto no “sertanejo raiz” as letras abordavam os prazeres e as dificuldades da vida no campo, o sertanejo universitário passou a focar em prosperidade, festas e poligamia. O autor conclui que isso representa um aumento da autoestima masculina. Para tanto, ele analisa músicas como “Balada (Tchê tcherere tchê tchê)” de Gusttavo Lima, “Camaro Amarelo” de  Munhoz & Mariano e “Chora, Me liga” de João Bosco e Vinicius.

O objeto de sua pesquisa é analisar o significado de cada trecho das composições. Veja esse trecho em que o autor examina o significado de trechos da música “Camaro Amarelo”:

E do dia pra noite fiquei rico → Eu sou rico e sinto orgulho disso.
Tô na grife → Eu tenho estilo e sinto orgulho disso.
Tô bonito → Eu sou bonito e sinto orgulho disso.
Tô andando igual patrão → Eu tenho status e sinto orgulho disso.
Só que agora vou escolher, tá sobrando mulher → Eu sou desejado e sinto orgulho disso

Dessa forma, segundo o autor, o sertanejo universitário traz elementos como a condição financeira estável, o acesso a bens de consumo e a lugares exclusivos, além de relações amorosas fáceis e efêmeras, o que contribui para que os homens se sintam mais realizados.

O trabalho, financiado pela CNPq, conclui que a autoestima masculina nas canções sertanejas universitárias acontece à custa da autoestima feminina.

O sertanejo virou palco de uma luta de gênero e rendeu um mestrado em linguística para o autor. O resultado prático da pesquisa, porém, é vazio: em nada muda o problema do machismo e as inúmeras agressões vividas diariamente por mulheres no país.

5) Você pagou para relatarem o que acontece em orgias gays

O resultado de uma bolsa de doutorado em antropologia foram relatos de práticas sexuais que ocorrem em festas de orgias gays no Rio de Janeiro. Basicamente o pesquisador praticou voyeurismo e relata, ao longo de 348 páginas, uma reflexão sobre o que é produzido em casas de orgias e o que proporciona o desejo de algumas pessoas a praticarem sexo coletivo de forma recorrente.

No trabalho, o pesquisador descreve as normas de conduta que são esperadas para o praticante da orgia, sendo norteadas por três princípios básicos: “masculinidade, discrição e a putaria”.

Ele conclui que as festas de orgia são “muito mais que um conjunto de pessoas que se encontram para fazer sexo umas com as outras”. Trata-se, segundo ele, de uma “tentativa de fugir de cânones morais, familiares, institucionais, religiosos e sociais”.
Essa conclusão, nada surpreendente, rendeu-lhe um doutorado em antropologia e mais uma conta para você pagar.

6) Você pagou para defenderem a criação de uma ciência  autônoma racial

93% dos brasileiros acreditam haver algum tipo de racismo na sociedade brasileira. A questão da discriminação racial ainda é um grave problema social, não há como negar. Pensando nisso, uma tese de doutorado propôs uma reflexão sobre africanidade e eurocentrismo, partindo da premissa de que “há um fenômeno de racismo antinegro e antiafricano na Ciência Ocidental”.

A pesquisadora problematiza o racismo dentro do contexto do ensino superior, afirmando que “a produção científica moderna produziu verdades que negam o negro do gênero humano”. A ciência, para ela, “cria leis para a Humanidade baseada apenas no olhar do Homem branco europeu ou norte-americano”.

Ao longo do trabalho ela argumenta que o modo de fazer ciência nos aliena da função política de cada profissão. Ademais, aduz que a ciência ocidental moderna demarca fronteiras raciais em suas disciplinas com fundamentos estabelecidos há 5 séculos, resultando em opressão, violência e exclusão, “se apropriando da vida das populações negras e africanas”.

Por considerar que um africano que se forma em uma universidade na Europa passa a ter um pensamento anti-África, ela propõe a “descolonização do conhecimento”. Para tanto, é preciso um urgente distanciamento da ideia de universalidade da ciência para criar um campo completamente autônomo na produção de conhecimento das populações negras e para servir a esse segmento da sociedade.

Em outras palavras, você custeou uma pesquisa que defende jogar no lixo séculos de descobertas acadêmicas.

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Loading Facebook Comments ...

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito