Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Atleta deve receber pelo que vale, não porque é homem ou mulher, diz presidente da Adidas

Atletas homens e mulheres nem sempre devem receber os mesmos salários e premiações, afirma Kasper Rorsted, 57, presidente global da Adidas.

Patrocinadora da Copa do Mundo, a marca de material esportivo decidiu igualar os bônus pagos a jogadores nas versões masculina e feminina, mas, para o executivo, é errado comparar os dois eventos.

Em visita a São Paulo, onde conversou com funcionários no escritório de Barueri e aproveitou para assistir à estreia da seleção masculina na Copa América, Rorsted diz que não se trata de uma discussão sobre gênero, mas sobre o valor de cada produto. 

“A evolução não surge do dia para a noite. Se um dia [a situação das mulheres] vai ser igual à dos homens, não sei, mas não é um objetivo em si”, diz o executivo.

Para Rorsted, deve-se pagar o preço de um produto pelo que ele vale, independentemente de gênero.

“Eu sou dinamarquês, você é brasileiro. Neymar é o melhor jogador brasileiro, ele recebe muito mais do que o melhor jogador dinamarquês”, afirma o presidente.

Em tempos de loucura coletiva, fomentada pelo feminismo e pelos pós-modernos, dizer o óbvio pode ser revolucionário. E vou além na obviedade ululante: isso não vale só para atletas, mas para TODOS! Cada um deve receber de acordo com o que “vale” do ponto de vista monetário, ou seja, de quanto produz dentro da ótica do livre mercado, sob a “tirania” da oferta e da demanda.

O socialismo, infelizmente, está vencendo por meio do feminismo. Com esse papo falacioso de que mulheres recebem menos do que homens, na média, prega-se como solução a igualdade forçada independentemente da produtividade, ou seja, o socialismo. É um perigo, e várias empresas estão aderindo por pressão dos grupos de minorias.

Guilherme Fiuza, ao divulgar nosso podcast Ideias sobre o futebol feminino e sua excessiva politização, foi certeiro: “A jogadora Marta exige equiparação salarial com o futebol masculino. Boa ideia. Só falta acrescentar alguns bilhões de terráqueos entre os interessados pela modalidade dela”. Ou seja, demanda! Mas vai explicar o óbvio para quem vive de ideologias e oportunismo…

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos