| Foto:
terroristas

A imagem do garotinho morto na praia após fracassada tentativa de entrada ilegal na Europa por sua família chocou e emocionou o mundo todo. Mas emoções e sensibilidade não costumam resolver os problemas estruturais. O que realmente fazer diante da crise de imigrantes que fogem desesperados dos países em guerra civil como a Síria ou dominados pelo terrorismo do Estado Islâmico? Não há resposta simples.

Mas João Pereira Coutinho arrisca uma em sua coluna de hoje: o regresso do neoconservadorismo. O regresso do próprio Coutinho, após merecidas férias, é sempre bem-vindo, pois o conservador português traz invariavelmente argumentos interessantes que produzem uma saudável reflexão. E seu ponto de vista sobre esse complexo assunto parece bastante razoável.

Em primeiro lugar, ele não alivia a barra do neoconservador Bush, que acertou ao invadir o Afeganistão para caçar os talibãs após o 11 de setembro, mas errou ao invadir o Iraque de Saddam Hussein, ou ao menos errou na estratégia traçada após a invasão. Ao desestabilizar as forças conflitantes das diferentes seitas locais, que de certa forma o regime cruel e ditatorial de Saddam mantinha controladas, Bush ajudou a influenciar na origem do Estado Islâmico.

Mas tampouco Obama é poupado. Sua política de retirar as tropas o mais rápido possível e reduzir o papel dos Estados Unidos como o “xerife do mundo”, por não ver nada de excepcional em seu papel pela paz global, acabou por jogar mais lenha na fogueira, e permitiu o crescimento exponencial dos terroristas islâmicos.

Coutinho chama essa “ambição caridosa” de Obama de “patética” e, de fato, é coisa de jardim da infância, de quem coloca a retórica acima da realidade, de quem se importa mais com o belo som das próprias palavras do que com as consequências de seus atos. O presidente que recebeu um Nobel da Paz antes mesmo de começar a governar acabou contribuindo, e muito, para a escalada da violência na região.

Como liberal que já foi até libertário, entendo as críticas aos neoconservadores. Essa ideia de defender o governo americano como polícia do mundo é um tanto arriscada, além de custosa para os pagadores de impostos americanos. Mas é um fardo que todo líder mundial precisa, de certa forma, encarar. A “pax romana” dependia do poder de Roma, a “pax britânica” da marinha inglesa, e a “pax americana” depende, ainda, da intimidação e poder do governo americano. Ser líder não é moleza, nem barato.

Da mesma forma que os americanos ajudaram na Segunda Guerra a salvar a Europa do nazismo, e depois a salvá-la do comunismo na Guerra Fria, os neoconservadores acreditam que é função dos americanos salvar o mundo do terrorismo islâmico, uma das maiores ameaças do momento. O leitor é totalmente livre para discordar disso, mas não deveria, por isso, ignorar o fato de que a inação também gera consequências.

Eis a maior mensagem dessa confusão toda: deixar os “malucos” em paz não garante que o resultado de sua maluquice ficará restrito às suas fronteiras. Coutinho resume muito bem o que está em jogo:

A filosofia “neoconservadora” levou Bush para o Afeganistão (certo) e arrastou-o inutilmente para o Iraque (errado). E esse erro alimentou em Barack Obama o mesmo sentimento que os americanos tiveram depois da Primeira Guerra Mundial: um sentimento isolacionista, próprio de quem está cansado de ser a polícia do mundo.

Infelizmente, o mundo não tira férias quando os Estados Unidos decidem regressar para a toca. E não deixa de ser irônico que a filosofia “neoconservadora”, depois de todos os erros, seja hoje a única proposta realista para o problema: quando não tratamos dos problemas fora das fronteiras, eles acabam por cruzá-las com fúria e estrondo.

Sem ações militares contra o terrorismo jihadista, o Estado Islâmico conquistará cada vez mais territórios, irá desestabilizar cada vez mais países, e o fluxo migratório será cada vez maior. Alguém realmente acha que colocar milhões de muçulmanos foragidos para dentro dos países europeus em crise com seu estado de bem-estar social falido é uma boa solução, ou que é livre de graves consequências?

O debate sério, aqui, não tolera a retórica infantil e sensacionalista de quem só está preocupado com a própria imagem perante o público, e não com os efeitos concretos do que defende. Não há saída fácil para o enorme e complexo problema. Mas sabemos que a “primavera árabe” não passou de uma ilusão desses mesmos românticos sem compromisso com a realidade, e que sem um freio militar, os terroristas islâmicos farão um estrago cada vez maior, não só nos territórios que conquistarem, como no mundo todo.

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]