i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Distribuir dinheiro não é “fazer justiça”: precisamos de outro tipo de herói

  • PorRodrigo Constantino
  • 23/11/2017 13:24
Fonte: GLOBO
Fonte: GLOBO| Foto:

“Segundo Marx, para acabar com os males do mundo, bastava distribuir; foi fatal; os socialistas nunca mais entenderam a escassez”. – Roberto Campos

O jornal O GLOBO tem uma reportagem hoje sobre uma dupla de “super-heróis”, pai e filho, que sai pelas ruas cariocas distribuindo dinheiro aos pobres. A chamada tem um apelo totalmente equivocado: “Capitão América faz justiça com dinheiro do próprio bolso”.

Que o “Robin Hood” fantasiado de Capitão América distribua dinheiro seu mesmo é algo sem dúvida muito melhor do que faz a esquerda, quando quer distribuir dinheiro dos outros por meio do estado. Ainda assim, há uma premissa errada exposta na mensagem: distribuir dinheiro não é “fazer justiça”, e em nada resolve a questão da miséria.

Ao contrário: esse tipo de coisa pode até mesmo perpetuar a pobreza, o que as almas bem-intencionadas entrevistadas pelo jornal não se dão conta. “Se todos fizessem o mesmo o mundo seria melhor”, pensam essas pessoas. Nada mais falso. A matéria exala socialismo:

A missão, que fique logo bem claro, não tem nada a ver com a dos super-heróis da ficção, apesar de a cidade não andar nada segura. Roberto Pacífico da Silva, o faz-tudo de 43 anos que encarna o Capitão América, e o filho dele, Rafael, de 18 anos, o Homem Aranha, não combatem o crime. O negócio deles é distribuir dinheiro. Isso mesmo. Eles saem às ruas na moto de 49 cilindradas com a heroica incumbência de reduzir a desigualdade. Mas, antes de distribuir reais por aí, Roberto cumpre sempre o mesmo ritual. Pergunta ao seu escolhido, talvez numa homenagem ao herói que incorpora, “qual a solução para a violência?”. Às vezes não dá nem tempo para o interlocutor responder direito. Roberto se adianta com a resposta que considera a correta. “É a divisão do bolo”, sentencia.

— Imagine que você está numa festa. O que acontece se não houver divisão do bolo? Vai ficar estranho e pode até ter briga. Se você tem mais do que necessita, é preciso dividir com o próximo, independentemente de quem seja — defende.

E lá está a ideia estapafúrdia de que economia é um jogo de soma zero, de que riqueza existe como um dado estático, e que precisamos apenas distribuir melhor o bolo. Dividir melhor o bolo, vejam só!, é até a solução para o crime, como se bandidos matassem porque não têm o que comer, uma visão ultrapassada e absurda.

Tenho um texto antigo em que explico a “imoralidade de Robin Hood”, com a ressalva de que o mitológico herói dos pobres tirava não dos ricos, mas das autoridades corruptas para devolver ao povo. Mas no imaginário popular, a ideia que ficou é a de que tirar dos ricos para dar aos pobres seria sinônimo de “justiça”, e nada mais equivocado do que isso. Justiça é proteger a propriedade privada de quem criou a riqueza!

Há, ainda, a questão do problema econômico. Quem não entende do assunto acha que basta distribuir para fazer a roda da economia girar, para estimular o consumo, para gerar riqueza. Nonsense! Tenho um texto sobre isso também, com base em Hayek, em que mostro como essa mentalidade marxista leva ao fracasso econômico, a mais miséria.

Tenho convicção de que quem ler ambos os textos saberá que a atitude do “super-herói” pode trazer alguma paz de espírito a ele mesmo, mas não resolve nada, nem mesmo a situação daquelas pessoas que ele ajudou. Fazer caridade é bom, uma mensagem cristã, mas não podemos confundir isso com receita para solucionar a pobreza, menos ainda a criminalidade, que não está diretamente associada àquela.

E chamar o ato caridoso de “justiça” em nada ajuda, pois gera confusão e fortalece a falácia de que a desigualdade em si é injusta, uma crença compartilhada apenas por socialistas, já que liberais e conservadores entendem perfeitamente que os seres humanos são diferentes, e que jamais teremos igualdade de resultados em trocas voluntárias e livres de indivíduos tão diferentes.

Hoje celebra-se aqui nos Estados Unidos o “Thanksgiving”, data muito importante inspirada na primeira colônia americana. Só que o que pouca gente sabe é que os peregrinos, antes de terem uma farta colheita para distribuir parte com os índios locais, morriam feito moscas. Mais da metade morreu, quando o regime era baseado no coletivismo solidário.

Foi só quando adotaram a propriedade privada e permitiram que cada um ficasse com o fruto do próprio trabalho que a colônia prosperou, e Plymouth se transformou na grande Comunidade de Massachusetts. Eis o tipo de herói de que precisamos: não um Robin Hood, mas um empreendedor capitalista que entenda a importância da propriedade privada e do livre mercado!

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.