Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Hong Kong sente saudades da rainha da Inglaterra

Após mais um protesto que reuniu dezenas de milhares de pessoas nas ruas de Hong Kong neste domingo, a líder da cidade, Carrie Lam, emitiu um comunicado oficial pedindo desculpas pela forma como seu governo tentou aprovar o projeto da lei de extradição para a China. Os líderes das manifestações haviam pedido a renúncia dela, em discursos ovacionados pela multidão.

Ainda no sábado, Lam havia anunciado que iria suspender a proposta de extradição, que já havia motivado outros grandes protestos na cidade asiática. Mesmo assim, manifestantes lotaram as ruas neste domingo, vestindo preto e se posicionando contra a líder, pedindo uma solução definitiva, e não apenas uma suspensão. Para a maioria da população, o projeto de lei poderia reduzir direitos civis, contrariando promessa feita por Pequim quando assumiu o controle da ex-colônia britânica, em 1997.

No comunicado, Lam lamenta que “as deficiências de nosso trabalho e outros fatores tenham despertado controvérsias e conflitos substanciais na sociedade após o período relativamente calmo nos últimos dois anos”, em referência às manifestações realizadas na terça-feira, quando as forças armadas de segurança dispararam balas de borracha e gás lacrimogênio para impedir que as pessoas entrassem no Parlamento local. Ela diz que vai adotar uma postura mais sincera e humilde, e aceita as críticas para aprimorar o trabalho de servir ao público.

Eis a diferença entre um povo “chinês” acostumado com as liberdades garantidas pelo império britânico e o povo chinês submetido ao regime comunista há décadas. Na China continental também ocorrem vários protestos, o maior deles sendo aquele fatídico de 1989 que terminou com várias mortes. É que na China o PCC controla a mídia e parte para cima da população mesmo, enquanto em Hong Kong, mesmo com o controle transferido da Inglaterra para a China, a cultura de liberdade permaneceu forte.

Ponto para o povo que foi às ruas lutar por seus direitos e contra o risco de ser julgado pelo sistema arbitrário chinês. O preço da liberdade é a eterna vigilância. Ainda assim, tenho certeza de que muitos devem morrer de saudades da rainha da Inglaterra. O professor João Carlos Espada comentou em sua coluna de hoje sobre o assunto:

Desafiando a violência policial e o gaz lacrimogéneo, cerca de um milhão de cidadãos de Hong Kong desceram à rua em dias sucessivos. Protestavam contra uma “lei” recente que permite a extradição de cidadãos de Hong Kong para serem “julgados” na China continental comunista. Qual foi o maior símbolo desfraldado nas ruas pelos manifestantes que desafiavam a ditadura comunista? A bandeira britânica.

Por que motivo desfraldaram os habitantes de Hong Kong a bandeira de um país que não é o seu (e que, segundo a ortodoxia politicamente correcta, foi mesmo um ‘ocupante colonial’)? Por que motivo celebraram centenas de americanos em Londres a memória de Winston Churchill, que não era um estadista americano?

Não tenho dificuldade em sugerir uma resposta a estas perguntas cruciais. Fui ensinado a respeitar a bandeira britânica sempre por não britânicos: as minhas avós e os meus pais, orgulhosos cidadãos portugueses, em primeiro lugar; pelo austríaco Karl Popper, a seguir; e, finalmente, pelo alemão Ralf Dahrendorf. Também por isso mesmo, não fiquei surpreendido — embora tenha ficado comovido — pelo jantar de homenagem a Winston Churchill promovido em Londres na passada sexta-feira pelo norte-americano Hillsdale College. E também não fiquei surpreendido — embora tenha ficado comovido — ao ver a bandeira britânica desfradada pelos corajosos manifestantes em Hong Kong.

Tudo isto é certamente incompreensível pela actual atmosfera intelectual, dominada pelo vazio moral pós-moderno e pós-cristão, de que resulta o culto e a obediência ao poder do (que parece) mais forte. Mas, como recordou incansavelmente Winston Churchill, o poder sem fundamento na justiça e na lei é apenas o poder arbitrário — e por isso não merece obediência. Disse Churchill em 1938, ainda antes do início da II Guerra e da aliança nazi-comunista que lhe deu origem:

“Não temos nós uma ideologia própria — se tivermos de usar essa palavra horrível [ideologia] — não temos nós uma ‘ideologia’ própria, fundada na liberdade, numa Constituição liberal, num Governo parlamentar e democrático, na Magna Carta e na Petição de Direitos?”

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos