i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Liberdade de expressão e o obscurantismo religioso

  • PorRodrigo Constantino
  • 23/01/2015 12:52
Liberdade de expressão e o obscurantismo religioso
| Foto:

O escritor britânico Ian McEwan tem dedicado alguns livros, como seu mais recente A balada de Adam Henry, ao tema do obscurantismo religioso. Em artigo publicado hoje na Folha, o escritor adota com coragem a defesa da liberdade de expressão e afirma que o Islã ainda não passou por seu iluminismo, e que por isso ainda flerta com o totalitarismo.

As religiões não são seu alvo, e sim a tentativa de monopólio de uma seita, algo que historicamente foi mais comum do que gostaríamos. Mesmo o cristianismo teve suas fases autoritárias ou totalitárias, apesar de nascer como uma religião minoritária perseguida. Hoje, é claramente o Islã que necessita dessa “era das luzes”, como justifica o autor:

O islã –do Paquistão à Arábia Saudita e outros países do Golfo Pérsico, da Indonésia e da Turquia ao Egito– vive sua versão própria de um momento totalitário. Diariamente lemos sobre casos de tortura, prisão e execução de muçulmanos que desejam deixar o islã ou discuti-lo.

No Paquistão, políticos usam as leis de blasfêmia como armas letais. Uma professora está presa no Egito há três anos por ter falado a seus alunos sobre outras religiões. Em todo o Oriente Médio, o cristianismo e o zoroastrismo estão sendo expulsos dos lugares onde nasceram. Na Turquia, a liberdade de imprensa está sob ataque cerrado por parte de conservadores religiosos.

Regimes árabes autoritários utilizam a sharia, a lei islâmica, como meio de reprimir a oposição política. Os grupos radicais Boko Haram e Estado Islâmico representam uma intensificação do que é praticado em certos Estados.

Alguns “pais fundadores” dos Estados Unidos compreendiam que era preciso “diluir” a religião na sociedade para evitar esse risco de totalitarismo religioso. Ou seja, quanto mais seitas, melhor. A livre concorrência faria com que nenhuma religião tivesse o domínio absoluto sobre as consciências e almas dos cidadãos.

E foi justamente essa liberdade religiosa que garantiu o direito de cada um à sua religião. A tolerância religiosa dos estados laicos no Ocidente moderno se deve à existência de várias religiões convivendo lado a lado. Em Israel, por exemplo, eu saí da Igreja da Anunciação em Nazaré sob o som dos sinos, para imediatamente escutar o chamado das mesquitas ao lado. E isso, não custa lembrar, numa nação judaica.

Já na Arábia Saudita, como lembra McEwan, quem importar uma Bíblia pode ser punido com a morte, e não existem igrejas ou sinagogas. “A livre expressão não é inimiga da religião, é sua protetora. Graças à sua existência há mesquitas às dezenas em Paris, Londres e Nova York”, diz o escritor. Quando somos obrigados a aturar críticas ou “blasfêmias” sobre nossa fé, preservamos o nosso direito de criticar ou “blasfemar” a crença alheia também, o que é fundamental para a liberdade.

Seitas totalitárias não admitem isso. O Islã, infelizmente, ainda tem uma grande ala radical que precisa ser “domesticada”. Poucos têm coragem de falar isso de forma tão aberta.

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.