i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

O crescimento preocupante do governismo cultural

  • PorRodrigo Constantino
  • 14/03/2019 12:08
O crescimento preocupante do governismo cultural
| Foto:

Por Erick Silva, publicado pelo Instituto Liberal

“Eu vejo o futuro repetir o passado”- Cazuza (O tempo não para, 1988)

Na história brasileira, um costume que os governantes e a sociedade civil exibem é o de replicarem os erros do passado. Se pararmos para observar, cometemos os mesmos erros de tempos em tempos: Juscelino Kubitschek adotou medidas nacionais-desenvolvimentistas para estimular o crescimento da economia brasileira. O resultado: alta inflação, recessão, dívida externa alta. Anos depois, o regime militar adotou essas mesmas medidas para estimular o crescimento da economia. A curto prazo, até funcionaram: Saltamos para a oitava economia do mundo.

Em compensação, isso gerou uma hiperinflação que levou mais de dez anos para ser derrotada. Mais de vinte anos depois, os governos Lula e Dilma implantaram os mesmos tipos de modelos desenvolvimentistas para estimular a economia. E os milhões de desempregados mostram o quão fracassado esse plano foi.

Mas piores que os erros dos governantes são os erros cometidos pelos setores da sociedade civil. O maior deles é o mal que assola o Brasil há várias gerações: a busca por um “salvador da pátria”, a busca por um líder que resolverá os nossos problemas e que levará o Brasil ao topo do mundo.

O brasileiro projeta um “salvador da pátria” de maneira periódica. Os “salvadores” são políticos populistas, cuja força se dá através de palavras de ordem; apoio popular massivo; suporte intelectual de pensadores, professores e escritores; e carisma (este último, o elemento mais importante para o surgimento de um “salvador da pátria”).

No Brasil, os populistas mais conhecidos foram: Getúlio Vargas, Leonel Brizola, Lula, e o mais recente deles, Jair Bolsonaro. Esse artigo focará nos dois últimos, pois irei abordar um fato que aconteceu em larga escala na era petista e que está se repetindo no governo Bolsonaro: o governismo cultural.

Primeiramente, a definição. Governismo cultural designa os militantes que defendem o governo de maneira radical, como se ele fosse uma religião: para tal, eles defendem toda e qualquer frase dita pelo governante, não importa o quão bárbara essa frase seja (como a admiração explícita a ditadores, por exemplo); criam uma “esgotosfera” dedicada a publicar notícias, muitas vezes com fontes duvidosas, com o intuito de minar reputações de adversários e favorecer a imagem do governo; criam “milícias virtuais” para intimidar e atacar aqueles que ousam criticar o governo, além do fato deles serem extremamente organizados.

O governismo cultural ganhou força nos governos petistas de Lula e Dilma Rousseff. Os governistas culturais atuavam em três “fronts” de batalha: o lado jornalístico, o lado intelectual e o lado militante. Os três lados atuavam em frentes distintas, mas ambos dependiam um do outro para sobreviver: o jornalista precisava do intelectual para obter estofo intelectual para publicar matérias, o intelectual precisava do militante para conseguir expandir suas ideias e o militante precisava de ambos para aplicá-las no jogo político. Juntos, os três lados criavam uma cadeia em que um alimentava o outro, com o intuito de ajudar o governo a empurrar a sua agenda.

O governismo cultural na era petista serviu para intimidar a oposição, blindar o governo de críticas e ocupar quase que inteiramente os espaços acadêmicos e culturais da sociedade brasileira (que já estavam sendo dominados antes da ascensão de Lula, mas isso se intensificou após a eleição dele). Durante esse período, eram poucos os que ousavam combater o petismo, como Reinaldo Azevedo, Diogo Mainardi e a revista Veja, e os que combatiam eram fortemente atacados pela turba governista, chegando a receber ameaças de morte (caso de Reinaldo Azevedo, durante as Jornadas de Junho de 2013), ou ter a sede depredada (sede da Abril, editora da Veja, depredada por militantes da UJS em 2014).

Esse período também ficou marcado pelo silêncio ou até mesmo apoio da classe intelectual e artística frente a esses absurdos, bem como a radicalização dos militantes, que eram capazes de agredir não só verbalmente, mas também fisicamente quem criticasse o governo petista, além do uso das salas de aula para aparelhamento ideológico, com o intuito de avançar ainda mais a agenda petista.

Quando Dilma Rousseff foi deposta do cargo em Maio de 2016, a sensação era de que esses tempos difíceis ficariam apenas na história. Infelizmente, observo o governismo cultural ressurgir com força no governo Bolsonaro, impulsionado pela ala olavista. Os indícios estão ficando maiores a cada dia. E os métodos dos governistas em nada se diferenciam dos métodos petistas. Desde a defesa do uso da televisão estatal (rede EBC) para que o presidente possa dar as “verdadeiras” informações, desmoralização da imprensa tradicional, passando pelo culto ao líder, indo para a “esgotosfera” governista, até ao uso de dinheiro público para financiar militantes profissionais, o bolsolavismo se assemelha muito ao lulopetismo.

O grande mal do século é o governismo cultural. Ele é um câncer em metástase, que pode se apresentar de diferentes formas, mas que possui um efeito devastador. O governismo cultural promove ameaças à liberdade de imprensa e de expressão pelo fato de funcionar como uma espiral do medo, já que os militantes utilizam a intimidação como forma de calar os opositores. Uma sociedade só consegue prosperar por completo quando o cidadão consegue se expressar sem medo. E para que isso aconteça, é fundamental que os defensores da liberdade combatam o governismo cultural, e impeçam que esse câncer se espalhe pelo país.

Sobre o autor: Erick Silva é graduando em Administração pela UFRRJ.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.