Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

O fim da era “progressista”?

A vitória de Jair Bolsonaro pode significar um marco na política nacional, uma guinada à direita após décadas de hegemonia esquerdista. Claro que não se muda tudo pela política, e o aspecto cultural é, sem dúvida, o mais importante. Tampouco se sabe se Bolsonaro vai mesmo seguir numa direção liberal na economia e conservadora nos costumes, sem resquícios autoritários ou antirrepublicanos. Mas há uma chance de o Brasil ter começado a deixar a era progressista para trás.

E o que exatamente é essa era progressista? Qual o seu legado e sua origem? Em Suicide of the West, Jonah Goldberg dedica um capítulo inteiro ao tema, cujo subtítulo é “o nascimento da Constituição viva e a morte da liberdade”. Seu foco é o caso americano, mas isso não diminui a relevância de sua análise, que nos oferece todo um arcabouço intelectual e político para explicar a mentalidade vigente na tal era progressista, que deixou sua profunda marca em nosso país também.

Há basicamente duas premissas básicas para definir os intelectuais progressistas: em primeiro lugar, o governo moderno deve ser guiado pela “ciência” e não pela política em si; e, em segundo lugar, uma economia industrializada deve ter a supervisão e a regulação minuciosa da mão visível do Estado administrativo moderno. O poder deve ser concentrado numa burocracia de “ungidos”, capaz de liderar a nação rumo ao progresso, com base na ciência.

O darwinismo teve forte influência nos pensadores progressistas, principalmente ao atacar noções de direitos naturais e, ao mesmo tempo, alimentado a ideia de que o Estado não é apenas uma expressão do povo, mas deveria ser também o guia de uma continuada “evolução” da sociedade. Esta passou a ser vista como um organismo vivo, especialmente pelos sociólogos, como uma criatura que tem instinto de autopreservação. O “caótico” capitalismo era contrário a esta visão: órgãos de um mesmo “corpo” não devem competir entre si, mas sim trabalhar em harmonia. O coletivismo é a marca registrada dos progressistas.

Os pensadores progressistas beberam da fonte positivista também, inspirada em Auguste Comte, que considerava que a humanidade tinha entrado em uma nova fase da história, na Era da Ciência, e que a sociedade poderia ser dirigida, guiada e aperfeiçoada por especialistas iluminados. O individualismo era, para essa turma, a “doença do mundo ocidental”. A Prússia de Bismarck era tida como referência para toda uma geração de acadêmicos americanos, justamente por seu crescente aparato burocrático para administrar a sociedade. Entre os admiradores estava o jovem Woodrow Wilson, que se tornaria o primeiro presidente efetivamente “progressista” da América.

Foi nesse contexto que nasceu a perigosa ideia – culto, na verdade – de que a Constituição é um organismo vivo, que aquilo que os Pais Fundadores criaram era datado e precisava “evoluir” constantemente. Os Pais Fundadores, ao contrário, entendiam que a natureza humana é relativamente estável e que as paixões humanas precisam ser controladas para se preservar a liberdade. Os “progressistas” deixariam de lado tais alertas, endossando uma visão “otimista”, ou mesmo romântica, do homem, em especial aquele com o poder: o administrador do setor público que estaria acima das tentações comuns e que só pensaria no “bem geral”.

Nessa toada, os “progressistas” passaram a defender um poder arbitrário e extralegal aos administradores do Estado, para que pudessem colocar em prática a “vontade geral” do povo, promover o “bem maior”. No fundo, argumenta Goldberg, não há nada de progressista nisso; trata-se de um sentimento reacionário para se recriar a antiga aristocracia dos “especialistas” e evitar, assim, as consequências “caóticas” da liberdade, como a “destruição criadora” de que falava o economista austríaco Schumpeter.

Os administradores do Estado seriam a nova casta protegida, com vastos privilégios e estabilidade de emprego, para que pudessem colocar o “bem geral” acima de seus próprios interesses. É uma visão no mínimo ingênua da natureza humana, que ignora o alerta de Lord Acton: o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente. Quando a classe de administradores se viu blindada contra a política e sem qualquer necessidade de prestar contas aos eleitores, nascia o “Estado administrativo”, que também atende pelo nome de establishment ou “deep state”. São aqueles que, entra governo e sai governo, permanecem no poder, sem precisar prestar contas à sociedade.

Esses “especialistas altruístas” existem apenas na cabeça dos “progressistas”. Mas a visão foi tão poderosa que muitos passaram a defender essa categoria de burocratas que teria como único foco o bem-estar social. A ideologia passou a dar suporte ao avanço do Estado, que já tem naturalmente uma tendência de crescer sem parar. O resultado não poderia ser outro: o agigantamento estatal, com todas as nefastas consequências que ele produz, como mais corrupção, impostos maiores, regulação asfixiante e a perda de liberdade do cidadão. E tudo em nome da ciência, como vemos nos discursos dos “progressistas” (basta pensar na questão do aquecimento global e como a histeria por ele criada justifica um aparato estatal cada vez maior).

O legado do “progressismo”, portanto, é aquele de um Estado mais e mais dirigista, intervencionista e inchado, dominado pela “tirania dos especialistas”, que perderam totalmente o contato com a realidade da população. A vitória de Trump nos Estados Unidos teve muito a ver com isso. Foi uma reação para “drenar o pântano” em Washington. Da mesma forma, Bolsonaro venceu no Brasil com um discurso contra o establishment, prometendo mais Brasil e menos Brasília. Resta saber se vão mesmo conseguir desarmar o Estado administrativo criado na era progressista.

Trump tem tido algum sucesso, mas ainda é muito pouco. Espera-se que Bolsonaro siga as sugestões de seu ministro Paulo Guedes, que compreende bem as mazelas deixadas pelos “progressistas”. Não é trocar “especialistas ungidos” por outros melhores, mas sim declarar guerra ao próprio conceito do Estado administrativo e abraçar, finalmente, o “caos” da liberdade.

Artigo originalmente publicado pela Gazeta impressa

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito