i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

O movimento racial não vai dizer nada sobre Wagner Moura ter usado um negro para representar um criminoso branco?

  • PorRodrigo Constantino
  • 11/02/2019 13:10
O movimento racial não vai dizer nada sobre Wagner Moura ter usado um negro para representar um criminoso branco?
| Foto:

O filme “Marighella”, estreia de Wagner Moura na direção, é daquele tipo que não vi e não gostei. Não há como gostar de uma tentativa tosca de enaltecer um terrorista comunista como Marighella, que fomentava a guerrilha urbana e era uma espécie de Che Guevara brasileiro. É como o filme “Diário de Motocicleta”, que tenta florear a vida do terrorista argentino, aquele que se preocupava com leprosos e justiça social, segundo a ficção, e não o que tinha tesão no odor de sangue, como o verdadeiro.

Wagner Moura é o típico esquerdista caviar, sempre defendendo as bandeiras erradas, fã de carteirinha do PSOL. Em outras palavras, mais um bom artista com miolo mole, que empresta a fama para causas nefastas. Óbvio que um filme seu sobre Marighella vai distorcer todos os fatos para pintar o terrorista como um ser humano decente, quiçá louvável. Em entrevistas que o ator/diretor deu sobre sua obra isso já salta aos olhos. Portanto, não verei a película.

Mas a escolha de Seu Jorge como ator principal, no papel do terrorista, chamou a atenção. Não nego que a busca de semelhanças físicas seja um detalhe menor numa obra de ficção. Acho que o bom ator é capaz justamente de mergulhar em seu personagem e convencer o público de que é ele, mesmo com gritantes diferenças físicas. É por isso que ator… atua. Não é para ser o próprio, mas sim um personagem inspirado no sujeito real. E é por isso que uma mulher pode fazer o papel de um trans, um heterossexual o de um gay e por aí vai.

Mas, na época do politicamente correto e da política de identidades, a esquerda “progressista” não permite mais isso. Tudo virou “apropriação cultural” ou roubo de espaço, e só um trans pode fazer o papel de outro trans na telona. É preciso uma reserva de mercado para as “minorias”, e para o inferno com os “detalhes bobos” como meritocracia e capacidade de atuação. Só há um problema: essa exigência é seletiva, como tudo que vem da esquerda. Para fazer o papel de um trans tem que ser trans, mas para fazer o papel de um branco, pode ser negro. Mesmo quando o branco era um bandido terrorista!

O professor Paulo Cruz, colunista da Gazeta do Povo, cobrou uma posição do movimento negro:

Uma pergunta básica: o movimento negro e os lacradores racialistas de internet não vão dizer nada sobre o Wagner Moura ter usado um negro para representar um criminoso branco? 

Segundo a lógica desse pessoal — a mesma que usaram para impedir que Fabiana Cozza interpretasse D. Ivone Lara (caso que analisei no artigo que segue no primeiro comentário) — Marighella era mestiço, não era preto retinto. Ele, certamente, seria tratado como branco caso não fosse de interesse ideológico que fosse negro. Aliás, não faz muito tempo que ele “virou” negro. E nunca lutou contra o racismo.

Sendo assim, eu, como preto retinto, que não quero esse tipo de representatividade deletéria, tenho o direito de reclamar. Se Mano Brown et caterva consideram esse tipinho desprezível um herói, eu não.

Cruz está certo, claro. Não só ao apontar a incoerência do movimento negro, mas ao desejar se afastar de alguém como Marighella. Tantos heróis verdadeiros negros que poderiam ser exaltados em filmes, e escolhem justo um terrorista mulato, quase branco, para virar ícone negro?! É como sempre digo: feminismo e movimento racial têm pouco a ver com mulheres e negros, e tudo a ver com esquerdismo radical…

Rodrigo Constantino 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.