Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Obama teria protegido terroristas do Hezbollah para garantir acordo com Irã

Historiadores costumam dizer que só o tempo permite o surgimento do legado de um presidente, para o bem ou para o mal. Às vezes é preciso esperar décadas para avaliar. Mas algumas evidências já permitem ter uma visão mais clara do legado de Obama. E não parece nada bom.

A mais nova mancha em seu currículo vem da investigação do Politico, que fez uma análise minuciosa das supostas tentativas da administração Obama de restringir o Projeto Cassandra, um trabalho da DEA para expor um esquema de lavagem de dinheiro do grupo Hezbollah na América Latina.

O Hezbollah é uma milícia libanesa pró-Irã, que o Departamento de Estado americano declarou ser um grupo terrorista já em 1997, e que se uniu, desde então, a regimes como o próprio Irã, a Síria, o Iraque, a Venezuela e a Coreia do Norte. Ou seja, é certamente do “eixo do mal”.

O governo Obama teria agido então para “eliminar” as investigações e preservar seu acordo com o Irã, que foi defendido como um dos mais importantes legados de sua gestão. No acordo, que vários acusaram na época de benevolente demais, o regime iraniano suspenderia seu programa nuclear em troca do fim de sanções econômicas.

O Politico falou com os agentes do Projeto Cassandra, que afirmam que o governo de Obama sufocou ou prejudicou as tentativas dos agentes de perseguir membros de alto escalão do Hezbollah envolvidos no tráfico de cocaína e lavagem de dinheiro, permitindo que membros do Hezbollah permanecessem ativos apesar de estarem sob acusação há anos.

Os agentes do Projeto Cassandra alegam que funcionários dos departamentos de Justiça e Tesouraria impediram repetidamente suas tentativas de buscar “investigações, processos, prisões e sanções financeiras” contra figuras-chave no esquema de longo alcance.

“Esta foi uma decisão política, foi uma decisão sistemática”, disse David Asher, um financista que ajudou a criar o Projeto Cassandra. “Eles destruíram todo esse esforço, e foi feito de cima para baixo”.

As investigações precisam continuar, claro, mas acende uma luz amarela nesse acordo já envolto em várias suspeitas. Se o governo Obama realmente trabalhou para impedir as investigações sobre o Hezbollah, estamos diante de um grave crime.

Mas quem conhece o modus operandi da esquerda não fica surpreso. Já quem caiu na ladainha da imprensa, que adorava Obama, pode ter levado um baita susto. Não deveria. A esquerda é igual no mundo todo. E a esquerda americana, cada vez mais radical, não mede esforços para atingir seus objetivos.

O governo Obama só se aproximou mesmo de dois países: Irã e Cuba. Já Israel, antigo aliado, afastou-se bastante, e agora retoma as alianças, com Trump no poder. Os grupos terroristas, como podemos ver em suas declarações, já morrem de saudades de Obama…

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos