i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Por que a terrível “coincidência” de os black blocs surgirem sempre em manifestações da esquerda?

  • PorRodrigo Constantino
  • 25/10/2017 13:28
Por que a terrível “coincidência” de os black blocs surgirem sempre em manifestações da esquerda?
| Foto:

É uma terrível “coincidência”: toda “manifestação” organizada pela esquerda termina em pancadaria, pichação, depredação e reação da polícia, que precisa jogar bombas de efeito moral para conter a barbárie. Quem leu Por trás da máscara, de Flavio Morgenstern, sabe muito bem que não é coincidência coisa alguma, mas sim planejamento. Ao ler as notícias nos jornais, porém, nunca se saberia disso. Vejam por exemplo como o Globo reportou o ocorrido:

manifestação organizada por artistas contra o presidente Michel Temer (PMDB), o senador Aécio Neves (PSDB-MG), entre outras bandeiras, terminou com a Polícia Militar disparando bombas de efeito moral e spray de pimenta na Cinelândia, no Centro do Rio.

Enquanto os artistas seguravam faixas na escadaria da Câmara de Vereadores, um grupo com camisas pretas se posicionou atrás. Depois, quando a maior parte dos artistas já havia ido embora, e a manifestação perdia força, os black blocs colocaram as máscaras e picharam “Fora Temer” na parte externa do Palácio Pedro Ernesto. Os policiais, então, expulsaram os manifestantes com bombas de efeito moral e spray de pimenta, e houve correria na praça.

[…]

O movimento foi capitaneado pelo #342 agora, liderado pela produtora Paula Lavigne, e tem a participação de outros grupos.

[…]

A manifestação foi convocada pelas redes sociais com o título “Inaceitável”, uma forma de reunir as diversas bandeiras elencadas pelos participantes. Além da classe artística, há representantes de outros setores da sociedade civil no ato.

— Voltamos de uma turnê de dois anos na época da votação da primeira denúncia e vimos que a situação do país era inaceitável. Com certeza (é o pior momento desde o fim da ditadura). Existe uma onda reacionária que chegou com força — afirma Paula.

[…] A Polícia Militar do Rio não faz estimativa de público em manifestações.

Pela narrativa do jornal, temos que artistas indignados com a falta de ética na política (e onde estavam durante os 13 anos de PT???) organizaram uma manifestação popular (qual exatamente o público presente?), e que depois da saída dos artistas, um grupo de black blocs mascarados, “do nada”, apareceu para quebrar as coisas e acabou produzindo uma “reação violenta” da polícia “fascista”. Eis a versão “progressista”.

Agora vamos aos fatos: um bando de vagabundos pendurados nas tetas estatais da Lei Rouanet e defensores do PT e do PSOL hibernou por 13 anos, sem ver o mensalão, o petrolão, a destruição das estatais, da economia. Quando Dilma sofreu um impeachment constitucional, seu vice Michel Temer assumiu, lembrando que foram os petistas que votaram nele.

Como Temer, por senso de sobrevivência, teve que fazer alguns cortes e as fontes dos artistas deu uma secada, houve um despertar ético imediato, e vivemos hoje o “pior momento desde a ditadura”, isso num país em que teve o PT quase destruindo a democracia, perseguindo jornalistas, aparelhando a máquina estatal e tentando levar o Brasil no rumo da Venezuela.

A turminha convocou as “massas”, mas claro que só compareceram os desocupados de sempre, ou os “mortadelas”. As manifestações esquerdistas têm sido um fracasso total de público, mas os artistas ainda se julgam representantes do povo, enquanto as manifestações pelo impeachment, que colocaram milhões nas ruas, foram obra da “elite golpista”.

Como falta gente, sobra violência para chamar a atenção, e porque a esquerda adora violência, e sabe que pode contar com a conivência da “imprensa golpista” em sua narrativa. Os black blocs, portanto, são convocados como parte do esquema. Quem tem dúvida da ligação entre eles, do apoio que esses artistas dão aos vagabundos criminosos, basta refrescar a memória:

Mas não pegaria bem o Globo, repleto desses artistas, dono do Projaquistão, relatar a verdade. Os leitores poderiam concluir, cruzes!, que os artistas desejavam a pancadaria, a violência, a “repressão” policial, para justamente poder bancar a vítima da “ditadura” uma vez mais. 1968 foi o ano que ainda não terminou para essa galerinha. Venezuela com milicianos do governo matando estudantes nas ruas é democracia; polícia brasileira reagindo a vândalos mascarados e armados é ditadura.

Depois a hashtag #CaetanoPedófilo se torna top trend no Twitter brasileiro e os artistas não sabem o motivo, ficam perplexos, acusando o “fascismo” e a “intolerância” dessa “elite” – ou seja, o povo brasileiro. Saiam já dessa bolha “progressista”, gente!

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.