Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Taís Araújo desiste de interpretar cientista por ter tom de pele mais claro do que o “certo”

A atriz Taís Araújo, 40, desistiu de interpretar nos cinemas a renomada cientista paulista Joana D’Arc Félix de Souza. A cinebiografia da filha de empregada doméstica que chegou ao pós-doutorado em química na Universidade Harvard teve de ser abortada com Taís no papel principal após reclamações nas redes sociais de que o tom de pele da atriz era mais claro do que o da cientista, o que a inviabilizaria para o trabalho.

“Quando eu li [as queixas], só falei que eles estavam cobertos de razão. Quando me dei conta do que acontecia eu nem desconfiei, eles estavam certos. Eu não seria a melhor pessoa”, afirma Taís.

A atriz também cita que mulheres de tom de pele mais escuro sofrem ainda mais preconceito. “Na real, quero que as pessoas conheçam a história da Joana, uma mulher que nos inspira. Imagine a quantidade de Joanas que perdemos ao longo do percurso por falta de estudo, de oportunidades. É a história de como uma educadora transformou a vida de pessoas. Quem vai contar é o de menos.” 

Vou ter que lembrar ao leitor aqui de uma obviedade ululante, que parece esquecida no mundo moderno atual, dominado pelas patrulhas do politicamente correto: atores… atuam! Eles interpretam personagens fictícios ou reais. Eles não são tais personagens! Chocado? Pois é.

O papel de um gay terá de ser feito por… um gay a partir de agora! E de fato vimos Scarlett Johansson abrir mão de um papel de trans por pressão da patota. O papel de um psicopata? Cruzes! Será preciso encontrar algum psicopata disposto a encenar na telinha. O dia da escolha do elenco será marcada pela posse de um fichário degradê para avaliar se o tom de pele de cada um é o “adequado” ou não. Mais ou menos assim:

Taís Araújo, que já afirmou que as pessoas se mudam de calçada quando seu filho negro surge, para destacar o “racismo sistêmico” do Brasil miscigenado, precisa pagar pedágio ao politicamente correto. Por isso ela disse que os críticos estavam “certíssimos”. Ela tem a pele clara demais para fazer uma negra mais negra. E ainda é preciso acrescentar: negras mais negras sofrem mais preconceito. Agora temos o preconceito gradual à medida que o tom da pele fica mais escuro.

É um mundo insano! São os loucos e covardes de Hollywood, Harvard e Projaquistão disseminando a paranoia, a intolerância e o racismo em nome do combate ao preconceito. Wagner Moura, um ótimo ator e péssimo “pensador” político, fez o papel de Pablo Escobar numa série da Netflix. Um brasileiro fazendo o papel de um traficante colombiano. Pode isso, Arnaldo? Pelo visto, não.

atuação precisa ceder lugar ao hiper-realismo. É preciso garantir uma reserva de mercado às “minorias”, e não qualquer minoria. Não basta mais ser mulher negra: é preciso ser mulher negra mesmo, ou nada de fazer o papel de uma cientista com pele mais escura. O talento na atuação não importa tanto. Ter a cor “certa” sim.

Parabéns, “progressistas”. Vocês conseguiram tornar o mundo um lugar extremamente chato, sensível e intolerante. A situação está simplesmente insuportável.

PS: Quando trocaram num filme terroristas islâmicos por supremacistas brancos, não houve chiadeira da patota “progressista”. Parece que essa adaptação foi uma “licença poética” aceitável, até mesmo desejável.

PS2: Seu Jorge pode fazer Marighella, pois o terrorista mulato foi retratado no filme de Wagner Moura como um herói humanista, então essa adaptação também serve. Já se fosse para fazer um vilão, o tom de pele mais escuro seria condenado, certamente.

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos