Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Trump quer nova ordem liberal mundial com estados soberanos

Em discurso em Bruxelas nesta terça-feira, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, prometeu uma “nova ordem mundial liberal”, na qual alguns tratados e instituições internacionais serão reforçados, enquanto outros serão enfraquecidos. O chefe da diplomacia do governo Trump criticou instituições como as Nações Unidas, a União Europeia, a Organização Mundial do Comércio, o Fundo Monetário Internacional e a União Africana, ao mesmo tempo em que exaltou a Otan, descrita como uma “instituição indispensável”.

Ao tentar explicar como os Estados Unidos pretendem conciliar sua liderança internacional com o nacionalismo da política de “América Primeiro” de Trump, o secretário de Estado afirmou que o presidente americano está reformando a ordem liberal mundial, e não destruindo essa ordem, como é acusado de fazer, inclusive por aliados históricos dos Estados Unidos. Em sintonia com o discurso contra o “globalismo” feito por Trump na Assembleia Geral da ONU em setembro deste ano, quando o presidente americano atacou a “burocracia global”, Pompeo afirmou que a nova ordem se baseará em “Estados soberanos, não em instituições multilaterais”:

— Nas melhores tradições de nossa grande democracia, estamos reunindo as nações nobres para construir uma nova ordem liberal que impeça a guerra e alcance maior prosperidade — disse Pompeo a diplomatas e autoridades, citando o Brexit como um sinal de que as organizações supranacionais são ineficazes. — Estamos agindo para preservar, proteger e avançar um mundo justo, transparente e livre de Estados soberanos.

Este projeto, ele disse, exigirá a “restauração real, não fingida, da ordem liberal entre as nações”. A “liderança assertiva” dos EUA será necessária para tal, ao lado de “democracias em todo o mundo”.

Essas entidades multilaterais surgiram com as melhores das intenções, mas é inegável que foram capturadas por burocratas e políticos “progressistas”, e muitas vezes são utilizadas contra a defesa da liberdade, da globalização, do livre comércio.

Muitos analistas têm confundido as críticas de Trump e parte da direita ao “globalismo” com um ataque à globalização em si, o que não é justo. Que há uma retórica excessivamente nacionalista e mesmo protecionista no governo Trump, isso é fato.

Mas só quem nada compreendeu sobre o fenômeno do Brexit pode achar que o desejo de reformar essas entidades “globalistas” é sinônimo de pregar o fechamento tribal do mundo, como se a América desejasse ser uma Coreia do Norte. Ridículo.

Nesse vídeo, explico melhor as diferenças entre globalismo e globalização, o que, acredito, ajuda a entender a posição do governo Trump nessa busca por uma nova ordem liberal mundial, menos dependente de certas instituições multilaterais:

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito