i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Ué, mas Lula não queria um julgamento rápido?

  • PorRodrigo Constantino
  • 13/12/2017 10:29
Ué, mas Lula não queria um julgamento rápido?
| Foto:

O julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a condenação dele no processo do tríplex do Guarujá já está marcado. A apelação de Lula será julgada pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), a segunda instância da Lava Jato, no dia 24 de janeiro.

O desembargador do TRF4 Leandro Paulsen, que revisa o voto de João Gebran Neto, o relator do processo na segunda instância, pediu a marcação da data. A audiência na 8.ª Turma do TRF4, responsável pelo caso de Lula, foi agendada para as 8h30 do dia 24 de janeiro. Além de Gebran Neto e Paulsen, a turma conta com um terceiro membro, Victor Luis dos Santos Laus.

A grita pela “celeridade” do processo de Lula foi grande na esquerda. Lideranças do PT acusam o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) de perpetrar um golpe contra a candidatura do ex-presidente Lula ao marcar para 24 de janeiro, em pleno recesso do Legislativo e Judiciário, o julgamento da apelação contra a condenação no caso do tríplex do Guarujá.

Os petistas acusam o TRF-4 de “perseguição”, acham que haverá pressão popular e “só morto” Lula não será candidato. Ricardo Noblat deu destaque ao que o comunista invasor, e linha-auxiliar do próprio PT e de Lula, Guilherme Boulos, “pensa” sobre a decisão:

“Escandaloso” não é invadir propriedades, pregar o comunismo em pleno século XXI, estar não só solto como poder ser candidato a presidente apesar de seus crimes. Escandaloso é a Justiça julgar! Noblat depois rodou uma pesquisa com seus seguidores para averiguar o que acharam da decisão. A imensa maioria discorda de Boulos:

Mas espere um momento: não era o próprio Lula que cobrava um rápido julgamento para se mostrar inocente logo?! Ana Paula Henkel, do vôlei, refrescou a memória desses petistas, que sofrem de amnésia coletiva, pelo visto:

Quem também gostou da maior rapidez do julgamento foi o tal “mercado”, ou seja, os investidores, aqueles que tomam decisões com a poupança alheia. Claro, sabem que se Lula tiver a mínima chance de voltar ao poder, isso representa um risco mortal para o Brasil e, portanto, para o valor dos ativos brasileiros, lastro da poupança de milhões de pessoas. Por isso a bolsa deu um gás quando saiu a notícia, e o dólar recuou. Paulo Eduardo Martins ironizou: “É preciso reconhecer. Às vezes o Lula faz bem ao Brasil”. E completou:

Quando Lula diz que não quer ser julgado pela Justiça, mas pelo “povo”, ele demonstra todo seu populismo cafajeste, sua mentalidade de tirano que despreza o império das leis. Quando um FHC da vida endossa isso, dizendo que Lula deve ser derrotado nas urnas, também contribui para o enfraquecimento de nossas instituições.

TODOS – e isso inclui políticos poderosos e até ex-presidentes – devem estar sob o império das leis numa República. O que faz políticos de outros partidos saírem em defesa de Lula ou ficarem preocupados com as mudanças no país – finalmente políticos poderosos estão sendo julgados e condenados – é o velho corporativismo: eles temem ter o mesmo destino!

O espanto mesmo é Lula ainda estar solto, algo que jamais ocorreria num país sério. O espanto é o STF não ter julgado ainda inúmeros políticos poderosos, servindo não de guardião da Constituição, mas de protetor de corrupto.

Que Lula seja logo julgado em segunda instância, e de preferência com sua condenação reforçada, pela abundância de evidências e provas. Lula não tem que ser derrotado nas urnas, mas preso, como todo safado, todo corrupto, todo marginal.

E ninguém deve temer uma “convulsão social”: a turma da mortadela vai dar um tiro de festim e mais nada. Por “cinquenta reais”, como diz a música, dá para pagar a dama que lhe satisfaz ou uma “manifestação” qualquer, mas não para convocar um exército paralelo de verdade, para enfrentar o oficial. Os mortadelas são vendidos e indecentes, mas não são burros ou suicidas. Lula não tem esse apoio todo.

Que o chefe seja logo julgado, então! E que o Brasil possa respirar aliviado, e começar a pensar no futuro para valer, para limpar esses 13 anos nefastos de destruição petista, para abandonar esse populismo mequetrefe tupiniquim e, finalmente, debater propostas sérias para permitir nosso progresso.

Lula é o grande entrave do país, o símbolo do atraso, da malandragem, da psicopatia na política (basta ver o que disse sobre o Rio e corruptos, como se não tivesse nada com isso). Que seus cúmplices esperneiem! Quem liga?

A despeito de um ou outro patrimônio público a mais depredado – a linguagem dessa horda é sempre a violência – é até divertido ver a choradeira daqueles que falam em nome do povo e se consideram acima das leis descobrindo que não estão, que, na verdade, são também brasileiros como todos os outros…

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.