i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Desestatizar para progredir

  • PorBharbara Pretti
  • 23/07/2020 08:06
Desestatizar para progredir
| Foto:

Por Bharbara Pretti, publicado pelo Instituto Liberal

As empresas de serviços postais são definidas como prestadoras de serviços de transporte e comunicação voltadas para a entrega de bens ou informações. Inicialmente, esse serviço foi estruturado a partir dos Estados Nacionais, destacando-se o monopólio do serviço pelo Estado e também criado por ele. Monopólio pode ser definido como uma única empresa detendo o mercado de um determinado produto ou serviço e conseguindo, portanto, influenciar o preço do bem comercializado e como o serviço será prestado.

Por que privatizar? A privatização permeia diversas premissas, a começar pela superação dos déficits que possuímos hoje no país, uma dívida pública catastrófica e diversas falhas e serviços mal prestados. Nessa seara, a privatização vem não só para diminuir os gastos públicos, mas, também, para dar mais opções aos consumidores, aumentar a produtividade, melhorar as finanças públicas, abrir livre concorrência para que o serviço seja cada vez melhor, diminuir a corrupção e aumentar as liberdades individuais.

Quando falamos dos Correios, a urgência na privatização é nítida. O primeiro e maior de todos os motivos é o fato de que o Estado não consegue prestar um bom serviço, o que inclui desde o sistema de rastreamento até a entrega na data prevista. O serviço é lento e falho, a ausência de concorrência também corrobora ainda mais a ineficiência da empresa, pois não existe motivo para melhora, haja vista que não existe concorrência.

Assim sendo, o que é privatizar? Privatizar é a transferência do que é estatal para o domínio da atividade privada. Isso porque, na atividade empresarial sob administração pública, não existem cálculo econômico, prestação de contas, punição, substituição e, ainda, quando falta dinheiro no caixa, é do tesouro público que ele vem. Isso mesmo, do seu dinheiro como contribuinte.

Além do mais, o monopólio estatal sobre serviços e produtos retira a soberania do consumidor e do povo e a coloca sob a titularidade de burocratas e governantes. Assim, a administração pública não pode ser avaliada em termos financeiros e não é movida pelo lucro.

Diante do exposto, o processo de privatização deverá ser analisado basicamente sob três pontos: alienação da ECT (Empresa de Correios e Telégrafo), a desestatização (livre iniciativa para o exercício da atividade postal, o que não exime o Estado de garantir a ordem e a livre concorrência) e a desregulamentação do setor.

O primeiro passo para a plena privatização dos Correios deve ser a revogação das leis de constituição da ECT, com sua transformação em sociedade anônima e a consequente abertura de seu capital social para investidores privados, havendo possibilidade de se optar pelo direito de preempção (preferência) de seus empregados (o que pulverizaria as ações da empresa, evitando a formação indireta de monopólio por grandes grupos que tenham capital suficiente para comprar um grande número de ações).

A ideia central é que não exista o modelo de concessão, modo de privatização mais utilizado no que tange a portos e aeroportos brasileiros, que mantêm fortes a participação e o intervencionismo estatal.

A oferta pública de ações levantaria capital para pagamento de dívidas, aprimoramento tecnológico e fortalecimento da empresa, fazendo com que ela se torne apta a concorrer no mercado interno e externo. Toda a estrutura atual poderá ser aproveitada – isso inclui estruturas físicas, trabalhadores, entre outros. A propósito, seriam uma opção parcerias com outras empresas privadas, centros de distribuição, para otimização da operação e viabilidade da mesma.

Por fim, privatizar não significa excluir o Estado, até porque ele precisa garantir o livre desenvolvimento das atividades econômicas e a ordem. Dessa forma, como vemos ao longo da história, com o sucesso da privatização do setor de telecomunicações e a ausência de monopólio da atividade pelo Estado, provamos uma maior qualidade no serviço. Está na hora de experimentarmos o mesmo nos Correios.

*Bharbara Pretti é Associada III e atual Diretora de Formação do Instituto Líderes do Amanhã.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • I

    Inô Gazotti

    ± 1 horas

    Tem que vender tudo. o princípio básico é que, nunca, jamais, qualquer organização pública será capaz de prestar serviço melhor que a iniciativa privada. que apontem um único exemplo de uma empresa estatal que preste um serviço melhor que uma privada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Robson La Luna di Cola

      ± 9 horas

      Não superestimem a competência de nosso incompetente mundo empresarial. Em um país gigantesco como o Brasil, com diferenças brutais de infraestrutura de comunicação, de ambiente geográfico, é necessária uma perfeita coordenação entre os Correios. Cuidado! As coisas podem piorar! Em áreas onde a margem de lucro for baixa, é possível que o serviço DESAPAREÇA!!!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • P

        Pedro Silva

        ± 13 horas

        Na verdade a concessão é o melhor caminho, ao contrário do que a autora disse, assim como vender apenas para arrecada não seria ideal. Se não forem colocadas obrigações em contrato, cria-se pequenos monopólios daquela atividade. Em minha visão seria mais importante colocar obrigações de obras nos contratos do que vender pra apenas arrecadar, o que vários economistas não sugerem.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.