Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Todo poder mama no povo
| Foto:

Todo poder emana do povo. Esse é o conceito central das democracias. Belo na teoria. Já na prática... muitas vezes o que vemos é o oposto: uma casta poderosa que age como um parasita, explorando o povo trabalhador. Adaptando para a nossa realidade, portanto, o mais correto seria dizer que todo poder mama no povo!

E como se faltassem exemplos para provar o ponto, o Congresso vai lá e resolve quase dobrar o fundo eleitoral. O fundão vai para quase seis bilhões de reais! Passou numa malandragem das raposas que cuidam do galinheiro, metendo o aumento junto da LDO, que precisava ser aprovada para garantir o orçamento do governo, e depois impedindo a votação nominal do destaque que retiraria tal aumento escabroso.

Durante alguns minutos a narrativa de que deputados bolsonaristas tinham votado pelo aumento do fundão circulou pelas redes, para espanto de todos que conhecem bem alguns desses nomes, tais como Bia Kicis, Paulo Martins ou Carla Zambelli. Tudo foi logo esclarecido por textos, vídeos e provas de que tais parlamentares fizeram constar seus votos contra a aberração. Mas a aberração já tinha passado...

E agora cabe só ao presidente um eventual veto, com tudo que isso significa de desgaste para Bolsonaro, que é mantido quase como um refém pelo centrão, que pode a qualquer momento decidir pela abertura de um dos vários processos de impeachment enviados pela oposição. Bolsonaro, ao receber alta do hospital, deu a entender que vai nessa linha:

“Sigo a minha consciência e sigo a economia e a gente vai buscar dar um bom final para isso daí. Afinal de contas, eu já antecipo, R$ 6 bilhões para fundo eleitoral, pelo amor de Deus. R$ 6 bilhões na mão do Tarcísio (Infraestrutura), ele recapearia grande parte da malha rodoviária do Brasil, R$ 6 bilhões na mão do Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), ele concluiria a água para o Nordeste”.

O presidente culpou o deputado amazonense Marcelo Ramos pela manobra que culminou no expressivo aumento do fundão. O Brasil não é para amadores. O Brasil cansa. Os donos do poder vivem insulados de qualquer crítica popular, fechados em suas bolhas, controlando um sistema político que garante esse poder aos caciques partidários.

Luiz Felipe D'Ávila, publisher do Virtù News, escreveu em coluna de hoje sobre esse descompromisso com a própria nação, que estaria à deriva e sem noção de prioridades, e alertou para o que ainda pode piorar:

De acordo com o estudo do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o IMPA, esse valor coloca o Brasil no primeiro lugar do ranking mundial dos países que mais gastam dinheiro público em campanha. Trata-se de uma vergonha para uma nação que tem prioridades urgentes, entre elas tirar 25 milhões de brasileiros da miséria e promover programas de requalificação profissional para proteger 15 milhões milhões de brasileiros desempregados.

Além de aumentar o dinheiro do fundo eleitoral, o Congresso cogita mudar as regras do jogo para as próximas eleições. Uma das propostas é criar o “distritão”, um modelo desastroso, que não é utilizado por nenhuma democracia séria do mundo. E que enfraquece os partidos e beneficia a eleição de candidatos que podem ser reis ou rainhas de popularidade, mas sem ter necessariamente nenhum vínculo com as regiões do estado.

Em outras palavras, o “distritão” prefere que se vote em “Tiriricas” no lugar de deputados que representam as diversas cidades do interior do estado e setores como o agronegócio, a indústria e o comércio.

Entrou em debate também o tal "semipresidencialismo", defendido por Barroso e outros, e tema do editorial do Estadão hoje, favorável à mudança. Ocorre que com esse número atual de partidos a coisa seria bem complicada, ainda que a lógica possa fazer sentido, para tentar reduzir o fisiologismo. Uma reforma política decente que reduzisse a concentração de poder seria crucial para o país, mas o risco é sempre piorar o que já é péssimo.

D'Ávila conclui seu artigo: "Esse é o triste retrato de um país à deriva, que não tem noção das prioridades da nação e age de maneira oportunista para atender apenas aos interesses casuísticos dos partidos e do Congresso. O foco de prioridades deveria ser a aprovação das reformas estruturantes do Estado, entre elas a reforma administrativa, a reforma tributária, o combate aos privilégios e a criação de regras estáveis para oferecer segurança jurídica e respeito aos contratos para os investidores privados que desejam investir no País e ajudar o Brasil a retomar o crescimento sustentável da economia".

O ministro Paulo Guedes concordaria e quer menos Brasília para termos mais Brasil. Encontra, porém, infinitos obstáculos no caminho político. Ao menos o governo federal faz sua parte naquilo que lhe cabe, já que está difícil emplacar uma boa reforma administrativa. A Folha destaca hoje que a máquina federal teve enxugamento inédito de servidores com Bolsonaro. A despesa com servidores civis na ativa caiu pela primeira vez, pois o governo não repôs aqueles que se aposentaram na mesma proporção. É uma "reforma administrativa" por inércia, digamos. Mas ainda é pouco!

O Brasil precisa de uma mudança radical de mentalidade. O estado precisa ser mais enxuto, com escopo bem menor e o poder mais descentralizado. O servidor público tem de servir o povo, não o contrário. Estamos muito longe dessa realidade ainda, infelizmente...

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]