Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

"Ofensiva contra urnas envolveu Abin e generais Ramos e Heleno, aponta PF". Eis o título em destaque na Folha de SP, cujo subtítulo diz: "Depoimentos mostram que general e agência buscam desde 2019 dados contra sistema eleitoral". E isso, claro, é tratado pela mídia ativista como um "ataque" ao sistema eleitoral.

Pergunta: qual instituição é mais confiável pela ótica do povo, o TSE ou o Exército? Várias pesquisas mostram que são nossas Forças Armadas em geral que gozam de prestígio popular, enquanto o STF/TSE não chega a ser admirado nem de perto. Por que, então, nossa imprensa militante tem tratado a busca por maior transparência no sistema eleitoral como golpe?

As várias questões levantadas pelos militares deveriam ser louvadas por jornalistas, como uma tentativa patriótica e democrática de melhorar nosso modelo opaco. Mas não! Preferem embarcar numa narrativa de que os militares se transformaram em capachos de Bolsonaro, e que este é um golpista, do que simplesmente admitir o óbvio: as urnas são falhas!

Ou teremos de acreditar que Brasil, Butão e Bangladesh são mais avançados do que Estados Unidos, França, Inglaterra, Canadá e Japão! Nossa urna de primeira geração é obsoleta, e não é por acaso que países muito mais ricos e desenvolvidos se recusam a adotar tal mecanismo. Querem a materialidade do voto, além da possibilidade de aferição pública, para dar confiança ao pleito. O TSE nega uma "sala secreta", e a imprensa vibra, mas não era o que a Globo dizia antes:

E eis o cerne da questão aqui: todas as respostas técnicas do TSE às sugestões dos militares mostram o grau de complexidade da coisa toda! É linguagem que até nerd de TI pode ter dificuldade de decifrar na íntegra. Pode um sistema tão "misterioso" ficar na mão de tão pouca gente assim? Se nem as Forças Armadas "compreendem" as fantásticas ferramentas de segurança criadas pelos técnicos do TSE, como poderá o povão confiar nesse sistema? O eleitor médio deve simplesmente delegar toda a confiança aos funcionários do TSE?

Isso nos remete ao conto "As roupas novas do imperador", do dinamarquês Hans Christian Andersen. Somente aqueles muito inteligentes, os "especialistas", podem enxergar as belas roupas da nossa urna eletrônica. Até que uma criança aponta para as eleições francesas realizadas com papel e diz: "o imperador Xande está nu".

Mas vamos confinar em Fachin, que foi garoto-propaganda de Dilma e simpatizante do MST; no Barroso, que considera Bolsonaro um "inimigo do mal", enquanto julga o terrorista Cesare Battisti um inocente e João de Deus alguém com poder transcendente; ou ainda o próprio Alexandre, que vai presidir o TSE durante a eleição, e que não cansa de perseguir bolsonaristas com inquéritos ilegais e sempre ao arrepio da Constituição. Vamos confiar nessa turma, basicamente com a repetição cansativa de Barroso: "la garantia soy yo".

Todas as falas e ações desses ministros apenas alimentam mais ainda a desconfiança popular no sistema. Eles agem como políticos de oposição ao atual governo, são ativistas que querem "empurrar a história", demonizam o presidente o tempo todo, e não se incomodam de avançar sobre outros poderes para impedir mudanças no sistema eleitoral. Colocaram a urna eletrônica como algo sacrossanto, como cláusula pétrea, e quem contestar a lisura do processo pode já estar incorrendo em crime! Que absurdo é esse?!

Quem quiser acreditar cegamente nos tecnocratas desconhecidos do TSE, em seus ministros ativistas, ou na imprensa militante que normalizou até a candidatura do ladrão petista está livre para tanto. Mas saibam que a imensa maioria da população está atenta e prefere confiar nas Forças Armadas, no bom senso e no exemplo de países mais avançados que recusa esse modelo fechado e obscuro. Talvez eu não seja tão inteligente para ver as lindas roupas invisíveis do imperador. Mas o que enxergo é claro: o imperador está é nu mesmo!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]