i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ciência

Abaixo-assinado pede o fim de testes em animais

  • PorDa Redação
  • 16/03/2014 21:10

Os grupos de proteção animal, Humane Society In­­ternational (HSI) e ProAnima, protocolaram na sexta-feira, no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), um documento com 32 mil assinaturas, coletadas pela internet, da campanha brasileira "Liberte-se da crueldade". O objetivo dos grupos é a proibição dos testes em animais para a produção de cosméticos. As informações são da Agência Brasil.

O MCTI abriga o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), que discute o uso de animais em testes para cosméticos e medicamentos. A próxima reunião do conselho acontecerá na quinta-feira.

Segundo a assessora legislativa da HSI, Antoniana Ottoni, o Concea tem o poder de proibir testes que sejam muito cruéis e de baixa relevância. "Com a proibição para cosméticos, os projetos terão de ser muito bem definidos. Mas a pesquisa de ingredientes com duplo uso, para cosméticos e medicamentos, na qual não é possível o abandono de metodologias baseadas no modelo animal, eles [os animais] ainda serão utilizados. A regra que estamos propondo é bem clara quanto a isso."

Antoniana conta que existem mais de 500 empresas no mundo, consideradas livres de crueldade, que se utilizam de um banco de dados de mais de 5 mil ingredientes, que já têm um histórico de segurança consolidado. "Então, está comprovado que não são necessários novos testes em animais para esse fim. É uma escolha ética que as empresas vêm fazendo, assim como os consumidores, já que empresas estão perdendo clientes, porque fazem testes em animais", disse ela.

A ativista explica que o mercado de métodos alternativos vem crescendo: "De 50 anos para cá, o desenvolvimento tecnológico cresceu absurdamente. Então, os testes em animais, que eram muito úteis há 50 anos, hoje não são mais. E a proibição dos testes é a chave para o direcionamento de maiores recursos para o desenvolvimento de métodos alternativos no Brasil, tanto públicos como privados." No Brasil, os testes em animais, para cosméticos, já são proibidos no estado de São Paulo.

O que pensa sobre o uso de animais para testes? Acredita que a discussão está sendo encaminhada corretamente? Deixe seu comentário abaixo e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.