i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Maringá terá doses para centro indígena

  • PorHélio Strassacapa, Jornal de Maringá On-Line com colaboração de Denise Paro, da sucursal de Foz do Iguaçu
  • 09/03/2010 21:06

Maringá - O Centro Cultural Indígena (CCI), casa de apoio mantida pela ONG Associação Indigenista de Maringá (Assindi), conseguiu com a Secretaria Municipal de Saúde a cessão de 60 doses da vacina contra a gripe suína para seus internos. Até segunda-feira, a direção da entidade não havia recebido orientações sobre a imunização dos índios hóspedes, e em princípio as doses destinadas ao município seriam apenas para os profissionais da saúde.

Segundo Darci Dias de Souza, diretora da unidade, os estudantes e suas famílias corriam risco de não receber as vacinas, pois não devem voltar logo para suas aldeias. Ontem, o município fechou acordo com a Assindi e a distribuição começa hoje. "Falta acertar se vão trazer aqui ou se os índios terão de ir à secretaria", disse Darci.

São cerca de 30 estudantes, mas a preocupação era com outros 30 artesãos que estão na cidade. A orientação da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) é para que os indígenas sejam imunizados nas localidades de origem, mas, de acordo com Darci, os índios que estão atualmente em Maringá só devem retornar para suas casas de­­pois do dia 19, data em que se en­­cerra a primeira etapa da campanha. Os índios artesãos, segundo ela, viajam de suas aldeias para ou­­tras cidades para vender produtos.

Distribuição

As doses que foram para a 15.ª Regional de Saúde estavam destinadas exclusivamente para os profissionais de saúde, e não deveriam atender aos indígenas. "Como a região não tem população indígena oficial, não temos vacina para eles. A prioridade em Maringá é para os trabalhadores da saúde", disse Inês Imamura, coordenadora do setor de imunização da 15.ª Regional, em Maringá.

Para Paulo Santos Camargo, chefe do distrito sanitário especial indígena da Funasa, a situação de índios em perímetro urbano ainda está sendo analisada. O Ministério da Saúde decidiu que na primeira etapa da campanha haveria a imunização de funcionários da saúde e índios dentro das aldeias, responsabilidade que cabe à Funasa. Sobre os demais, a responsabilidade de acompanhamento é da Fun­da­­ção Nacional do Índio (Funai), cuja atuação no estado foi prejudicada com uma reestruturação promovida pelo governo federal.

A orientação é que os indígenas que ficarem sem a vacina nessa primeira etapa busquem a imunização das fases seguintes da campanha. "Em Maringá há muitos estudantes, mas eles vão pegar a vacinação nas suas faixas etárias", disse Camargo. Segundo ele, durante o último surto de gripe A as comunidades mais atingidas foram Mangueirinha, no município de Guarapuava, e Ivaí, em Manoel Ribas. Contudo, a média de contágio dos indígenas pela nova gripe ficou abaixo do restante da população.

Escola

Em São Miguel do Iguaçu, a 45 quilômetros de Foz do Iguaçu, os funcionários da saúde foram até a escola da Aldeia Ocoy ontem para aplicar a vacina nos estudantes. Segun­do a técnica administrativa do co­­légio, Delmira de Almeida Peres, a adesão da população local está sendo boa. A escola tem 239 alunos.

De acordo com a Secretaria de Saúde de São Miguel do Iguaçu, 650 doses foram enviadas à aldeia, onde vivem cerca de 620 índios avá-guarani. No ano passado, não houve casos de gripe A na tribo, que ocupa 231 hectares às margens do Lago de Itaipu. A vacinação na aldeia, onde há um posto de saúde, começou na segunda-feira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.