i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Julgamento

Agente apresenta contradições durante júri do massacre do Carandiru

Ex-secretário da Segurança Pedro Franco de Campos manteve o depoimento apresentado nos dois últimos júris no caso. Já o agente penitenciário e chefe de plantão do pavilhão 9, Francisco Carlos Leme, apresentou uma fala com contradições e imprecisões

  • PorFolhapress
  • 18/02/2014 13:23

O segundo dia do julgamento de 15 PMs que respondem pela morte de oito detentos - e duas tentativas de homicídio - no massacre do Carandiru foi retomado nesta com o depoimento do ex-secretário da Segurança Pública Pedro Franco de Campos e de um agente penitenciário do Carandiru na época do massacre.

Enquanto Campos manteve o depoimento apresentado nos dois últimos júris no caso, o agente penitenciário e chefe de plantão do pavilhão 9 na ocasião, Francisco Carlos Leme, apresentou uma fala com contradições e imprecisões.

Leme afirmou que antes da Polícia Militar entrar no pavilhão onde ocorria a rebelião já havia muitos detentos mortos no pátio. No interrogatório feito pela defesa, ele citou que viu aproximadamente 75 corpos. Porém, durante as perguntas da acusação, Leme afirmou que os números poderiam variar de 20 a 50 mortos.

Questionado se havia informado alguém sobre os mortos que viu, o agente disse que não porque a "diretoria já estava sabendo". "Não pensei em falar para ninguém [sobre os corpos no pátio]. Não era minha função.Era papel da chefia levar a informação."

Segundo o agente penitenciário, ainda antes da entrada da PM, ele ouviu disparos de armas de fogo de dentro dos andares superiores. A Promotoria, entretanto, questionou se os disparos haviam sido de dentro ou fora do presídio, uma vez que Leme havia dito em depoimento anterior que não sabia precisar a origem dos tiros ouvidos. O agente então reafirmou que os disparos vinham de dentro do pavilhão.

Questionado pela acusação se ele, já havia sofrido agressão por parte dos detentos, o agente afirmou que não. "Nunca levei paulada, nem tapa. Nunca".

Na tentativa de apontar outra contradição, a acusação leu trecho de depoimento anterior em que o agente afirmava ter levado uma "paulada na mão".

"Pode ser que na hora dessa pergunta eu tenha me embananado", respondeu e complementou que achava que a paulada na mão não havia sido intencional. O depoimento do agente penitenciário, que trabalhou no Carandiru por 24 anos, durou pouco mais de uma hora.

Primeiro Depoimento

Pedro Franco de Campos, então chefe da pasta de Segurança na época, reiterou o que disse nos dois julgamentos anteriores de que a intervenção da Polícia Militar no pavilhão 9 do Carandiru foi necessária quando presos iniciaram uma rebelião, no dia 2 de outubro de 1992.

Em sua fala, que durou cerca de 15 minutos, ele negou ter consultado o então governador, Luiz Antônio Fleury Filho, para entrar a Casa de Detenção, mas afirmou que conversou como secretário adjunto e o coronel Ubiratan Guimarães, comandante da invasão.

Após ouvir as duas testemunhas de defesa, o juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo interrompeu a sessão para almoço e deverá retomar às 14h30 para o início do interrogatório dos réus.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.