i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Anemia afeta quase 1/3 das mulheres brasileiras

  • PorFolhapress
  • 24/04/2009 21:14
A anemia e a deficiência de vitamina A no Brasil |
A anemia e a deficiência de vitamina A no Brasil| Foto:

Prevenção

Anemia

Comer alimentos ricos em ferro (carne vermelha, brócolis e beterraba, por exemplo) e, para auxiliar a absorção pelo organismo, ingerir vitamina C (laranja e outros frutos cítricos por exemplo).

Evitar o consumo de alimentos ricos em cálcio, como leite, durante as grandes refeições, como almoço e jantar, já que eles "competem" com o ferro na absorção pelo organismo.

Deficiência de vitamina A

Consumir pelo menos três vezes por semana vegetais e frutas da tonalidade de amarelo a vermelho (abóbora, cenoura, batata-doce, manga e outras).

Fonte: Ministério da Saúde

Brasília - A anemia atinge 29,4% das mulheres brasileiras em idade fértil (de 15 a 49 anos) e 20,9% das crianças até 5 anos, mostra pesquisa do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) divulgada ontem, com dados de 2006 e financiamento do Ministério da Saúde. Já a deficiência de vitamina A (hipovitaminose) afeta 12,3% das mulheres e 17,4% das crianças.

A anemia pode provocar desde cansaço e redução da imunidade a infecções até, em casos mais graves, problemas no desenvolvimento das crianças. Já a vitamina A é importante para prevenir doenças relacionadas à visão, como a cegueira.

Nos dois aspectos, o Brasil está situado na classificação de risco "moderada’’, de acordo com os critérios da OMS (Organização Mundial da Saúde). A escala vai de leve a grave.

A área rural tem índices melhores do que a urbana em relação aos dois problemas, o que pode ser consequência de uma alimentação mais natural e com menos produtos industrializados, afirma Ana Beatriz Vasconcellos, coordenadora da Política Nacional de Alimentação e Nutrição do ministério. Ela ressalta, no entanto, que se trata de uma hipótese. O mesmo fator pode explicar o fato de que, entre as cinco regiões do país, a Sudeste tenha a maior incidência de deficiência de vitamina A entre as crianças – 21,6%. Na região Nordeste, o índice é de 19%.

Considerando todo o país, a maior taxa de anemia infantil está na idade até 2 anos, o que, para Vasconcellos, indica problemas na transição do aleitamento materno para a alimentação normal.

Amostras de sangue

De acordo com o Ministério da Saúde, estudos anteriores restritos a determinados locais do país haviam indicado uma incidência maior da anemia entre as crianças. Mas não é possível afirmar que há uma queda, já que a nova pesquisa foi a primeira a tratar do problema abrangendo todo o território.

Para isso, foram analisadas cerca de 3,5 mil amostras de sangue de crianças de até 5 anos e 5,7 mil de mulheres. Para a coordenadora da pesquisa, Elza Berquó, o universo é representativo da população.

Os primeiros resultados da pesquisa, divulgados em julho do ano passado, mostraram que a desnutrição infantil aguda, associada à fome, está no patamar considerado normal pela OMS. Isso indica que os problemas estão mais relacionados à qualidade da alimentação do que à quantidade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.