Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Aplicativo Waze é usado para compartilhar informações de trânsito em tempo real | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Aplicativo Waze é usado para compartilhar informações de trânsito em tempo real| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Campanha

A prefeitura de Curitiba, a Polícia Militar e o Instituto Paz no Trânsito vão lançar a campanha "Lei Seca – vai pegar". A iniciativa não prevê a intensificação direta da fiscalização, mas vai contar com ações educativas em vias públicas e bares, conscientizando os condutores sobre os riscos da mistura direção e volante.

Interatividade

O que você acha do uso das redes sociais para compartilhar informações sobre fiscalizações no trânsito?

Deixe seu comentário abaixo ou escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

Leia as regras para a participação nas interatividades da Gazeta do Povo.

As mensagens selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

O Waze – aplicativo de celular por meio do qual é possível avisar os usuários dos pontos onde ocorrem blitz de trânsito – está fazendo com que a polícia repense sua estratégia de fiscalização em Curitiba. O Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) passou a monitorar o dispositivo. Assim que uma operação é "denunciada" pelas pessoas que utilizam o sistema, os policiais se deslocam para outro ponto.

"Quando somos ‘identificados’, montamos a operação em outro local. E isso acaba nos ajudando, porque canaliza quem usa a rede para essa fiscalização", disse o oficial de planejamento do BPTran, capitão Omar Bail. Apesar disso, o policial nega que a nova blitz seja articulada de forma a pegar os "fujões" que usam o Waze. "Não é uma ratoeira, mas acaba pegando esses motoristas [que usam o aplicativo]", afirmou.

Além disso, a polícia mudou a dinâmica das blitze. Antes do sucesso do Waze, ocorriam uma ou duas grandes operações por dia, realizadas por uma única equipe. Agora, o BPTran dividiu os policiais em quatro grupos menores, que podem deslocar as fiscalizações para outros locais. "Os resultados são bons. Em média, são oito mini-blitze por dia. Em fins de semana, entre 20 e 25 motoristas são encaminhados à delegacia, flagrados dirigindo embriagados", avalia o capitão.

Antes da popularização do Waze, outras plataformas já "vazavam" informações sobre as fiscalizações de trânsito. Em Curitiba, ganharam destaque os perfis "Blitz Curitiba" e "Xpeed Trânsito", ambos no Twitter, além de outras páginas no Facebook.

Divergências

Apesar da polêmica da divulgação dos locais de fiscalização, o delegado Armando Braga Júnior, titular da Delegacia de Delitos de Trânsito, não vê problemas no uso da ferramenta. "Não há nenhum crime nisso. Pelo contrário, acho que, ao informar a blitz, o sistema contribui para que as pessoas dirijam de maneira mais segura. Se a pessoa está num bar e vê que tem uma blitz perto, de repente, ela nem beba", acredita.

Mas para o BPTran, os dispositivos acabam interferindo no resultado das fiscalizações e ajudando motoristas a burlarem a lei. "Nosso objetivo não é pegar o cidadão de bem. É flagrar a pessoa que dirige embriagada, com habilitação suspensa, ou até pessoas que cometeram um assalto. As pessoas que usam esse sistema acabam se esquecendo que a sociedade precisa dessas abordagens", pondera Bail.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]