i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Trânsito

Aplicativo de celular faz polícia mudar blitz

Operações denunciadas nas redes sociais são deslocadas para outras ruas. Fiscalização flagra até 25 motoristas dirigindo embriagados nos fins de semana

  • PorFelippe Aníbal
  • 03/06/2013 21:07
Aplicativo Waze é usado para compartilhar informações de trânsito em tempo real | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Aplicativo Waze é usado para compartilhar informações de trânsito em tempo real| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Campanha

A prefeitura de Curitiba, a Polícia Militar e o Instituto Paz no Trânsito vão lançar a campanha "Lei Seca – vai pegar". A iniciativa não prevê a intensificação direta da fiscalização, mas vai contar com ações educativas em vias públicas e bares, conscientizando os condutores sobre os riscos da mistura direção e volante.

Interatividade

O que você acha do uso das redes sociais para compartilhar informações sobre fiscalizações no trânsito?

Deixe seu comentário abaixo ou escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

Leia as regras para a participação nas interatividades da Gazeta do Povo.

As mensagens selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

O Waze – aplicativo de celular por meio do qual é possível avisar os usuários dos pontos onde ocorrem blitz de trânsito – está fazendo com que a polícia repense sua estratégia de fiscalização em Curitiba. O Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) passou a monitorar o dispositivo. Assim que uma operação é "denunciada" pelas pessoas que utilizam o sistema, os policiais se deslocam para outro ponto.

"Quando somos ‘identificados’, montamos a operação em outro local. E isso acaba nos ajudando, porque canaliza quem usa a rede para essa fiscalização", disse o oficial de planejamento do BPTran, capitão Omar Bail. Apesar disso, o policial nega que a nova blitz seja articulada de forma a pegar os "fujões" que usam o Waze. "Não é uma ratoeira, mas acaba pegando esses motoristas [que usam o aplicativo]", afirmou.

Além disso, a polícia mudou a dinâmica das blitze. Antes do sucesso do Waze, ocorriam uma ou duas grandes operações por dia, realizadas por uma única equipe. Agora, o BPTran dividiu os policiais em quatro grupos menores, que podem deslocar as fiscalizações para outros locais. "Os resultados são bons. Em média, são oito mini-blitze por dia. Em fins de semana, entre 20 e 25 motoristas são encaminhados à delegacia, flagrados dirigindo embriagados", avalia o capitão.

Antes da popularização do Waze, outras plataformas já "vazavam" informações sobre as fiscalizações de trânsito. Em Curitiba, ganharam destaque os perfis "Blitz Curitiba" e "Xpeed Trânsito", ambos no Twitter, além de outras páginas no Facebook.

Divergências

Apesar da polêmica da divulgação dos locais de fiscalização, o delegado Armando Braga Júnior, titular da Delegacia de Delitos de Trânsito, não vê problemas no uso da ferramenta. "Não há nenhum crime nisso. Pelo contrário, acho que, ao informar a blitz, o sistema contribui para que as pessoas dirijam de maneira mais segura. Se a pessoa está num bar e vê que tem uma blitz perto, de repente, ela nem beba", acredita.

Mas para o BPTran, os dispositivos acabam interferindo no resultado das fiscalizações e ajudando motoristas a burlarem a lei. "Nosso objetivo não é pegar o cidadão de bem. É flagrar a pessoa que dirige embriagada, com habilitação suspensa, ou até pessoas que cometeram um assalto. As pessoas que usam esse sistema acabam se esquecendo que a sociedade precisa dessas abordagens", pondera Bail.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.