i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
segurança pública

Após morte de policiais em UPPs, Bope volta a ocupar favelas cariocas

Desde a instalação das unidades pacificadoras, em 2011, batalhão especial não participava das ocupações. Comunidade teme a volta do tráfico

  • PorAgência O Globo e Folhapress
  • 16/03/2014 21:05
Reforço vai atuar em 20 pontos considerados críticos | Urbano Erbiste / EXTRA / Agencia O Globo
Reforço vai atuar em 20 pontos considerados críticos| Foto: Urbano Erbiste / EXTRA / Agencia O Globo

A ofensiva do governo do Rio de Janeiro contra os ataques às Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) ganhou força total no sábado, com o envio de tropas dos batalhões de Operações Policiais Especial (Bope), do Choque e mais 300 policiais militares, além dos cem que já estavam previstos. O reforço vai atuar em 20 pontos considerados críticos na região.

O reforço policial se junta aos 2.170 homens que já atuam nas oito UPPs do Alemão e da Penha, como reação à onda de violência que já causou a morte de quatro policiais desde fevereiro. No último sábado, dois PMs foram mortos em áreas de UPPs.

Apesar do reforço policial, moradores e comerciantes da região estão desconfiados e temem o retorno do tráfico intenso na região. Também desconfiam da capacidade da polícia em conter os conflitos. "Hoje, vemos a volta do terror. Como confiar, se nem eles se protegem?", questionou um comerciante, que pediu anonimato, em referência às mortes dos policiais.

Para quebrar a barreira formada entre a população e a corporação depois dos últimos casos de violência será a criação da ouvidoria das UPPs. Um carro adaptado passará uma semana em cada comunidade pacificada. A "Paz com voz", como é chamado o projeto, contará com 18 policiais que foram treinados nos últimos dois meses e receberão sugestões, críticas e denúncias dos moradores. Também será criado um conselho de segurança em cada local. O projeto piloto será implantado na UPP da Mangueira.

Combate

O Bope voltou a ocupar os complexos do Alemão e da Penha pela primeira vez desde a instalação das UPPs na região, em 2011. Segundo o coordenador das UPPs, coronel Frederico Caldas, a presença do batalhão na região é por tempo indeterminado.

Além de reforçar o policiamento, o grupo teria mais condições de combater traficantes armados. A ação do Bope, no sábado, coincidiu com uma troca de comando do batalhão. O tenente-coronel Fábio Souza deixou o cargo e o nome do substituto ainda não divulgado. Segundo a PM, a alteração deve-se à mudança de "estratégia de comando da corporação".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.