i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Segurança

Após mortes de PMs no Paraná, rede social vira palco de discursos de violência

  • PorDa Redação
  • 25/01/2016 21:00
 | /
| Foto: /

A sequência de quatro mortes de policiais no Paraná em uma semana – até o momento, sem nenhuma ligação comprovada – fez mais do que deixar em alerta o efetivo do estado. Há quem defenda que a força policial seja usada para revidar os crimes. Algumas mensagens incitando a violência estão sendo divulgadas em redes sociais. Uma defende o apoio à operação “Larga o aço” (expressão que significa autorização para atirar). Em outra postagem, os “dez mandamentos” recomendados para confronto que sugerem, entre outras ações, que o policial “atire primeiro”.

O presidente da Associação dos Praças do Estado do Paraná (Apra-PR), Orélio Fontana Neto, confirmou que mensagens desse tipo estão circulando e contou que o clima é de tensão entre os policiais. Ele afirma que a sensação de insegurança está prejudicando o trabalho dos militares. “Se você não tem segurança como pode dar segurança”, comenta. A entidade cobra que as mortes sejam esclarecidas o quanto antes para que haja tranquilidade. Fontana comentou também que os policiais sentem falta de suporte e de respaldo. “É o momento de chamar todo mundo para conversar para acalmar os ânimos”, avalia.

O número concentrado de PMs mortos criou uma situação sem precedente no estado. A média de policiais assassinados costuma ficar entre 10 e 30 ao ano no Paraná, sendo que a maioria não morre em serviço. O registro de quatro óbitos em uma semana ligou o sinal de alerta. Nos casos da última semana, nenhuma morte ocorreu em serviço. É importante lembrar, contudo, que há dezenas de registros Brasil afora em que a morte de policiais iniciou ondas de execuções sumárias, inclusive com o assassinato de inocentes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.