Foz do Iguaçu - A fronteira entre o Brasil e Argentina, em Foz do Iguaçu, será a primeira do país a contar com sistema de controle migratório total. Até meados de agosto, todos os pedestres, motoristas e passageiros que entrarem ou deixarem o território nacional pela Ponte Internacional Tancredo Neves, que liga o país a Puerto Iguazú, deverão se identificar, a exemplo do que já acontece rigorosamente na aduana vizinha. Com a novidade, o tempo de espera que nos feriados e finais de semana mais movimentados chega a uma hora pode dobrar.

O novo sistema de registro de entradas e saídas do país – semelhante ao usado nos aeroportos brasileiros – será empregado assim que as obras dos 16 novos guichês e a instalação dos equipamentos e programas forem concluídas, em no máximo 30 dias. A construção custou aos cofres do Departamento de Polícia Federal cerca de R$ 230 mil. De acordo com a assessoria de imprensa da delegacia da PF em Foz do Iguaçu, o controle na aduana ficará a cargo de servidores terceirizados, monitorados por agentes federais, 24 horas por dia.

Dos estrangeiros que necessitam de visto, será exigido o passaporte. Para os brasileiros e representantes dos países do Mercosul, basta o RG. A Carteira de Habilitação e as funcionais – como os registros na OAB ou no Conselho Regional de Medicina – não são aceitos como documentos de viagem ao exterior. "O que vinha sendo aplicado apenas aos estrangeiros será estendido a todos que cruzarem a fronteira", diz o agente Nasser Sati.

Criminalidade

Mais que o controle migratório, o sistema ajuda a conter crimes transfronteiriços como o tráfico de drogas, de armas, de pessoas e o contrabando. Graças à interligação com os bancos de dados das polícias brasileiras e da Justiça, será possível identificar e barrar a circulação de foragidos, de pessoas desaparecidas, de crianças e adolescentes desacompanhados dos pais ou responsáveis e de veículos roubados ou irregulares. "O rigor nas fiscalizações tende a afastar os mal intencionados. Temos mais uma ferramenta no combate à ação de criminosos."

Questionado sobre a necessidade de adoção de um sistema semelhante na fronteira com o Paraguai, Sati apontou o fluxo na Ponte Internacional da Amizade como o principal obstáculo à fiscalização 100%. Na aduana entre Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú passam em média 15 mil pessoas por dia nos dois sentidos. "Seria necessária uma estrutura no mínimo quatro vezes maior da que já existe."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]