| Guto Costa/ Árvore de Natal Bradesco Seguros
| Foto: Guto Costa/ Árvore de Natal Bradesco Seguros

Nem mesmo a mais tradicional árvore de Natal brasileira escapou da crise. Depois de vinte edições consecutivas, a Árvore de Natal da Lagoa, no Rio de Janeiro, não vai iluminar neste ano um dos mais bonitos cartões postais da capital carioca.

Natal da crise faz eventos natalinos minguarem em todo o país

Leia a matéria completa

O Grupo Bradesco Seguros, que abraçou o projeto desde o seu início, em 1996, comunicou ainda no início deste ano à prefeitura do Rio de Janeiro sobre seu desligamento como principal patrocinador da árvore.

A empresa não fala em valores, tampouco cita corte de gastos como um dos fatores que a levaram a desistir da empreitada. Em nota, o grupo declarou apenas entender que “seu ciclo como patrocinador exclusivo está completo”.

A Riotur, empresa de turismo do município do Rio de Janeiro, garantiu que, até o momento, nenhuma outra instituição apareceu para “adotar” a Árvore da Lagoa. No entanto, a pasta conforta quem está na contagem regressiva para o fim de ano: os fogos do tradicional Réveillon à beira-mar serão mantidos.

Brasília

Em Brasília, as luzes que cercam o Congresso Nacional e a Esplanada dos Ministérios começaram a ser instaladas na primeira semana de dezembro, informou a Secretaria de Estado do Esporte, Turismo e Lazer do Distrito Federal. Ainda assim, os gastos com todo o complexo de iluminação foram repensados e ficarão mais “apagados”. Dos R$ 4,5 milhões gastos com a decoração natalina em Brasília em 2013, esse valor não deve passar dos R$ 400 mil este ano, informou a pasta.

Mas esse custo ainda é mais do que o dobro do que foi investido em 2015, quando R$ 147 mil foram liberados para as decorações de Natal. A secretaria explica que, no ano passado, foram reutilizados materiais (mangueiras de LED e lâmpadas) dos anos anteriores. Mas, por causa da depreciação do material e da depredação dos mesmos, neste ano houve a necessidade da compra e reposição de novos itens.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]