i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Trânsito

As conseqüências de uma fiscalização mais rígida

  • Por
  • 22/11/2008 21:04

A retirada da frota irregular das ruas criaria uma série de conseqüências para as cidades e, inclusive, para o Detran. Os pátios do órgão estão, geralmente, lotados. Seria necessária a construção de outros espaços para abrigar os veículos com as obrigações vencidas. Conforme o Detran, não há estudos sobre o número de pátios para abrigar os ilícitos. Seria preciso avaliar a frota de cada município e as estatísticas de infrações para se chegar a um consenso sobre a instalação de novos abrigos.

Para o professor do programa de mestrado e doutorado em Gestão Urbana da PUC, Tomás Moreira, é necessário educar antes de punir. Em sua avaliação, blitzes de orientação nas estradas e vias importantes da cidade devem estipular prazo para colocar em dia as obrigações. "O Detran teria como controlar e saberia se o carro foi regularizado. Caso contrário, retiraria o veículo das ruas", diz. "20% ou 25% é um índice muito alto. Só a educação pode fazer com que as pessoas regularizem os veículos", completa.

A medida faria o número de usuários da rede de transporte coletivo crescer. Em Curitiba, quase 110 mil veículos deixariam de rodar. As estatísticas apontam que cada veículo transporta, em média, 1,7 pessoa. Com isso, o número de cidadãos que migrariam para o transporte coletivo se aproximaria de 200 mil. Isso, conforme Clovis Ultramari, professor do programa de Gestão Urbana da PUC, criaria outro problema. "O transporte coletivo teria que estar preparado para absorver a nova demanda. Hoje, com a quantidade de passageiros atual, o sistema está frágil", opina. (VB)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.