i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Caso Sendas

Assassinato pode ter sido encomendado, diz advogado

  • PorAgência Estado e Folhapress
  • 22/10/2008 21:01

São Paulo - O advogado Nilo Batista vai pedir à polícia que investigue a possibilidade de o empresário Arthur Sendas ter sido assassinado por encomenda. Batista, que foi advogado de Sendas por 30 anos, considera "leviano" o encerramento do inquérito sobre o homicídio com a prisão do motorista Roberto Costa Júnior, 28 anos, autor do disparo. A Polícia Civil vai analisar se pedirá a quebra do sigilo telefônico de Costa Júnior. Fundador da rede de supermercados Sendas, o empresário foi baleado na porta de seu apartamento, no Leblon, zona sul do Rio, na noite de domingo.

Batista lembrou que Sendas andava com forte aparato de segurança, que incluía carro blindado e escolta de dois veículos. "Para chegar ao seu Arthur, teria que ser dessa forma: com uma pessoa próxima a ele", disse. O advogado considera suspeita a versão do motorista, de que foi até o apartamento, por volta da meia-noite, pedir dinheiro. "Seria a milésima vez (que ele pedia dinheiro). Por que faria isso nesse horário, com uma pistola automática com bala na agulha?", questionou. Outro indício foi uma conversa na tarde de segunda-feira com o pai do assassino, o motorista Roberto Costa, funcionário da família desde 1980. "Eu disse para o pai: ‘se ele fez por encomenda, ele é um arquivo a ser apagado. A melhor coisa seria se entregar’. Horas mais tarde ele se apresentou à polícia", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.