i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Meio ambiente

Assembléia Legislativa começa a regularizar ligação de esgoto

Dejetos oriundos da casa legislativa são despejados direto no Rio Belém

  • PorJorge Olavo
  • 23/05/2007 18:48

Todo o esgoto produzido na Assembléia Legislativa (AL) do Paraná, no Centro Cívico de Curitiba, é despejado diretamente nas águas do Rio Belém sem passar por qualquer tipo de tratamento. Essa falha estrutural do prédio deve começar a ser reparada a partir de hoje, a pedido da Assembléia, pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). "É irônica essa situação. Os deputados fazem leis, inclusive ambientais. Justamente aqui é que não pode ter nenhuma incongruência. Felizmente, o problema será corrigido", afirma o deputado estadual Luiz Eduardo Cheida (PMDB).

A irregularidade foi constatada no começo de abril. "Ninguém sabia para onde o esgoto ia e para a minha surpresa a Sanepar confirmou que ele não tinha tratamento", conta Cheida. "O sistema de coleta não é suficiente. É preciso o tratamento", explica. A diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Maria Arlete Rosa, informa que o trabalho deve ficar pronto em 30 dias e faz parte de um projeto de recuperação do Rio Belém, que já é estudado há dois anos.

Outras repartições públicas e residências também estão sendo vistoriadas e notificadas quando é constatada alguma irregularidade. E o deputado Cheida entrou ontem com um requerimento na Sanepar para que seja apontada qual é a atual situação das ligações de esgoto de todos os prédios públicos do Paraná.

A poluição do rio não é um problema único da AL. A região que margeia o leito do rio tem 90% de cobertura de esgoto. "Com esse índice, não justifica o rio estar sendo poluído. A qualidade da água é o nosso indicador dessas irregularidades com a ligação do esgoto", diz a diretora da Sanepar. Entre os edifícios que contribuíam para esse problema estavam o Palácio Iguaçu e duas secretarias municipais, que tiveram o sistema de esgoto revisto no ano passado.

Maria Arlete vê a reforma na AL como um alerta para a população. "Serve como exemplo e é um fator educativo", afirma a diretora. O ambientalista Paulo Roberto Nenevê aponta a conscientização da comunidade como o melhor caminho para se minimizar o problema. "Hoje, muitas vezes não se tem preocupação nenhuma com o esgoto. Muitas pessoas estão interligando as redes de esgoto e pluvial", relata.

Ele ainda defende uma fiscalização mais intensa por parte dos órgãos públicos. "O exemplo tem de começar pelo Estado. Quanto antes as obras forem feitas, melhor", resume o ambientalista. "A fiscalização mais intensa deve partir da própria população. O esgoto não é apenas um problema ambiental, é um problema de saúde pública", reitera Maria Arlete.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.