Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Bicicletas para todos os lados

Comportamento

Bicicletas para todos os lados

Ciclistas reúnem-se na capital em coletivos e eventos que têm como objetivo mudar a cidade pedalando

  • Alexandre Costa Nascimento
A Bicicletada ocorre simultaneamente em 200 cidades do mundo, inclusive em Curitiba, no último sábado do mês: segundo os ciclistas, as pedaladas têm o poder de transformar as cidades |
A Bicicletada ocorre simultaneamente em 200 cidades do mundo, inclusive em Curitiba, no último sábado do mês: segundo os ciclistas, as pedaladas têm o poder de transformar as cidades
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A bicicleta deixou de ser apenas um meio de transporte: em Curitiba, ela se tornou ícone de uma causa coletiva. A despeito da falta de infraestrutura urbana ? como ciclovias e ciclofaixas ? e do ambiente hostil para quem pedala no trânsito da capital mais motorizada do país, a cidade vê o veículo de duas rodas se transformar em uma bandeira política, em torno da qual militam, lado a lado, ?mauricinhos? e anarquistas, patrões e empregados, motoristas e pedestres.

VÍDEO: Veja como é o cotidiano das bicicletas em Berlim, na Alemanha

A causa da bicicleta, defendida de forma isolada por diversos grupos organizados, vem se estruturando e ganhando força. O movimento já encontra representantes no meio cultural e artístico local, tem o apoio incondicional de ambientalistas e organiza encontros semanais e mensais. Além disso, estimulada por ONGs, a bicicleta virou instrumento para promover o exercício da cidadania e conta com a militância de pessoas comuns, que optaram pelo veículo movido a energia humana ? ou, como preferem, ?movido a arroz e feijão.?

No último sábado de cada mês, Curitiba se integra a mais 200 cidades em todo o mundo que organizam as chamadas ?Bicicletadas?. O movimento, nascido na Espanha com o nome de Massa Crítica, tem como objetivo estimular o uso da bicicleta como veículo de transporte sustentável nas grandes cidades.

?Ganhando um porcentual cada vez maior de adeptos, teremos uma cidade mais silenciosa, menos poluída e com mais gente nas ruas. O pedestre e o ciclista vivem em outra cidade, que não a cidade do motorista?, defende o filósofo e ciclista Jorge Brand, que participa da Bicicletada de Curitiba. ?Toda pessoa pode se tornar ciclista desde que a cidade ofereça condições de segurança, mas, na capital, não é isso que vemos acontecer?, avalia.

Ainda assim, a cidade reúne outros grupos em torno da mesma causa. O Curitiba Cycles Chic, por exemplo, promove uma aliança entre o mundo da moda e o do pedal, pregando que é possível pedalar com estilo ? vestindo terno e gravata ou roupas de grife.

A agenda ciclística curitibana conta ainda com dois outros encontros semanais: o Pedala Curitiba, realizado pela pre­­­feitura todas às terças-feiras e o Curitiba Bike Night, que ocorre nas noites de quinta-feira.

O ciclista Roberto Coelho conta que o grupo começou em 2000, como uma reunião de oito amigos que se encontravam após o expediente para um passeio. ?Com o tempo a coisa cresceu, começaram a aparecer os amigos dos amigos?, conta o criador do grupo.

Com o número de ciclistas aumentando, a prefeitura de Curitiba passou a apoiar as pedaladas noturnas, cedendo dois batedores da Diretran para acompanhar o grupo. Até que, há cerca de quatro anos, a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer ?incorporou? o evento na agenda oficial do município, rebatizando-o de ?Pedala Curi­­­tiba?. Com a mudança de data do evento oficial para as terças-feiras, o grupo ?original? permaneceu se encontrando às quintas e hoje reúne cerca de 80 pessoas, pouco menos que o Pedala Curitiba, que tem média de 120 ciclistas por edição.

Ciclistas unidos

Os ciclistas curitibanos trabalham agora para reunir os diversos movimentos em torno da bicicleta em uma associação que dê força política ao movimento. A entidade, provisoriamente batizada de Associação dos Ciclistas do Alto Iguaçu, deverá ser formalmente constituída no próximo domingo (22). ?Vamos unir todos esses grupos que operam de forma dispersa. O objetivo é conseguir alavancar ganhos mais concretos para a bicicleta na cidade?, explica Goura.

Segundo ele, desde 2005, o coletivo Bicicletada Curitiba já participou de reuniões com prefeitos, vereadores, e técnicos do Instituto de Pesquisa e Pla­­nejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), mas sem grandes avanços. ?Tudo depende da vontade política. Há alguns anos houve o anúncio da reforma na Avenida Cândido de Abreu. Pedimos para que o uso da bicicleta fosse incluído no projeto, o que não foi feito. A rede cicloviária da cidade é precária, ruim tanto para o ciclista quanto para o pedestre?, critica.

Confira o vídeo sobre as bicicletas na Alemanha:

Bicicletas na Alemanha e Energia Eólica

+ VÍDEOS

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE