i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aliança Global

Brasil se une a 90 países para combater a exploração sexual infantil pela internet

  • 29/12/2019 20:08
Brasil se une a 90 países para combater a exploração sexual infantil pela internet
| Foto:

Crianças e adolescentes estão expostos a conteúdos inapropriados e perigosos na internet a todo momento. Um em cada quatro já recebeu algum tipo de material pornográfico (textos, imagens ou vídeos), de acordo com Aliança "WePROTECT" – organizadora da Cúpula Global de Enfrentamento à Exploração Sexual Infantil pela Internet, que também já recolheu mais de 13 milhões de imagens inconvenientes da rede.

Outros perigos virtuais também têm preocupado o Brasil, que firmou na semana passada compromisso com esse grupo [formado por 90 países].

"Essa é a primeira vez que o Brasil participa da Cúpula Global. Agora, a gente passa a compartilhar das experiências, dos materiais, a conhecer as estatísticas e as melhores práticas do mundo no combate à exploração sexual infantil pela internet", explica Maurício Cunha, que comanda a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA).

As propostas da Cúpula Global são divididas em seis eixos: legislação e formulação de políticas públicas; justiça criminal; apoio às vítimas e o suporte emocional; mobilização da sociedade e conscientização em torno do tema; tecnologias; e pesquisa e compartilhamento de experiências exitosas.

"O abuso ou a exploração sexual na internet a gente pode dizer que são ainda mais cruéis do que o 'off-line', porque a imagem de uma criança sendo abusada pode ficar anos e anos rodando na internet. É muito cruel e está aumentando muito. São inúmeros sites, inúmeros membros que participam dessas comunidades, desses sites que têm acesso a esse conteúdo. Envolve também muito dinheiro, porque há uma comercialização dessas imagens”, afirma o secretário.

Para Cunha, essa foi uma oportunidade para pensar em ações que a secretaria nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente pretende promover em 2020. Na Cúpula Global, os países pensaram em ações que punam os criminosos, compartilhem os marcos legais, informem quais são os canais que as vítimas podem acessar e a atuação de organizações da sociedade civil que cuidam dessas vítimas.

Vinte e duas grandes empresas de tecnologia e 25 organizações participaram do evento. Segundo Cunha, em uma das palestras foram discutidas ações que envolvem toda a área da indústria tecnológica, de como prevenir e detectar materiais criminosos na internet. "Como as grandes empresas como Google ou Facebook podem, no primeiro sinal de uma imagem inadequada, acionar as autoridades", exemplifica.

Campanha de conscientização

Para Cunha, a internet trouxe benefícios para a sociedade, mas também acarreta ameaças e problemas para as famílias. Por isso, diante de uma exposição excessiva das crianças e adolescentes nas redes e o acesso cada vez mais rápido, o que facilita a atuação de criminosos, é preciso que os pais estejam atentos.

"Uma das coisas que a gente quer fazer no Brasil é criar materiais de campanha, orientando os pais sobre o uso consciente da internet. Os pais precisam monitorar o acesso dos filhos", observa.

A secretaria também quer fazer um trabalho em conjunto com outros órgãos. "Primeiro vamos integrar os atores. Depois disso, vamos promover no primeiro semestre do ano que vem seminários para trazer à luz essa temática e articular com o ministério da Justiça, Interpol, polícias e conselhos tutelares outras ações", diz. "Nosso objetivo é trabalhar com conscientização em campanha de fortalecimento da família, como foram o 'Detox Digital' e o Reconecte", afirma o secretário.

Financiado pelo governo do Reino Unido, o Brasil participou pela primeira vez do evento e quer sediar a Cúpula Global em 2021. "Nos oferecemos para ser a sede da próxima edição do evento, 2021, para ampliar a discussão dessa temática em nosso país", destaca.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    ELENICE MARA MATOS NOVAK

    ± 0 minutos

    Muito importante o assunto, que já mostra ter alcançado famílias que se consideravam "protegidas" desse tipo de crime. Estamos em um projeto de prevenção, com análises e pesquisas preocupantes. A mobilização é necessária.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso