i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Território

Breve relato de uma longa jornada

Missões jesuíticas determinaram a existência do Paraná. É capítulo épico do estado, marcado pela frustrante expulsão da Companhia de Jesus em 1759

  • PorDiego Antonelli
  • 18/04/2014 21:10
Na década de 1950, jesuítas voltam a atuar no Paraná, dessa vez em Curitiba: primor da Companhia de Jesus marca educação | Acervo/Colégio Medianeira
Na década de 1950, jesuítas voltam a atuar no Paraná, dessa vez em Curitiba: primor da Companhia de Jesus marca educação| Foto: Acervo/Colégio Medianeira

Legado

Educação brasileira tem modelo jesuítico no DNA

Um dos principais legados dos jesuítas foi na educação. Todavia, a Companhia de Jesus não contemplou a educação desde o início. "Mas a partir da formação de novos quadros jesuítas bem preparados, a educação foi uma extensão natural dos diversos modos de evangelizar", conta o padre jesuíta Dionísio Seibel.

Seibel explica que o fundador da Companhia, Inácio de Loyola, tinha por princípio que o jesuíta tinha que ter boa formação para poder atender o povo. "Este modelo também foi ampliado para os jovens através de escolas que seguiam o método da Universidade de Paris, formando pessoas para o melhor serviço para a sociedade".

CIA. de Jesus

A primeira instituição jesuíta em Curitiba, o Colégio Medianeira, foi fundado em 1957 pelo padre Oswaldo Gomes. Quando recebeu a tarefa de iniciar o projeto, Gomes passou a buscar verbas que viabilizassem a construção da escola, plantada num terreno de 145 mil metros quadrados às margens da BR-116. A área foi doada pelo governo estadual.

A pedra fundamental, que deu origem às obras, foi trazida do antigo Colégio Jesuíta de Paranaguá, que funcionou por apenas quatro anos, no século 18, e hoje abriga o Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR. Ao todo, a Companhia de Jesus fundou no Brasil 15 colégios e 4 universidades.

  • Cenas de um colégio: alunos fazem recreio nos campos do Medianeira: passado reabilitado
  • Prédio que abrigou o colégio jesuíta em Paranaguá: história abortada por Pombal

O atual território do Paraná ainda estava permeado por enormes vazios urbanos quando os primeiros jesuítas desembarcaram na região, no início do século 17. Nessa época, o estado estava praticamente sob jurisdição espanhola, com exceção da faixa litorânea – sob domínio português. "O atual território paranaense se configurava como uma região de disputa, onde era frequente também o avanço dos bandeirantes paulistas", explica o historiador Rafael Diehl.

Diehl lembra que os jesuítas portugueses tentaram se estabelecer na região ainda no fim do século 16, mas foram impedidos pelo rei Filipe II de Espanha, que desejava manter a autonomia dos territórios portugueses, unidos à Coroa Espanhola desde 1580 pela União Ibérica.

Desde o início do século 17, houve a presença de jesuítas espanhóis no Guairá, como era chamada a região. Mas as Reduções Jesuíticas só se estabelecem mesmo em 1610, com a ajuda de membros da Companhia de Jesus italianos. "Em 1613, ano da chegada do célebre padre Antonio Ruiz de Montoya, o Guairá contava 13 Reduções Jesuíticas", explica o historiador.

O retorno

As incursões das Bandeiras Paulistas, que eram em sua maioria portuguesas, causaram a fuga de missionários e indígenas das Reduções do Guairá, em 1632. "Muitos indígenas foram mortos ou escravizados pelos bandeirantes e as reduções foram incendiadas e saqueadas", informa Diehl. O padre jesuíta Dionísio Seibel lembra que a responsável pela expulsão dos jesuítas foi a Coroa Portuguesa, a mando do Marquês de Pombal.

A violência bandeirante contra as Reduções Jesuítas no Paraná provocou um vácuo de membros dessa congregação na região. Somente a partir da segunda metade do século 17 é que os jesuítas começaram a retornar ao estado. Diehl relata que a Câmara de Paranaguá negociou com os jesuítas o estabelecimento de um colégio em Paranaguá, tendo os primeiros padres da Companhia de Jesus chegado à cidade em 1708. Nesse momento, os jesuítas eram portugueses, pois a região já se encontrava submetida à administração da Coroa lusitana.

"Nesse ano, estabeleceu-se com os jesuítas uma Casa de Primeiras Letras. O estabelecimento de um colégio atrasou por uma série de dificuldades políticas envolvendo as jurisdições coloniais da região, tendo iniciado suas atividades apenas em 1755", ilustra. Foi o primeiro colégio jesuíta no Paraná e hoje é sede do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR.

O colégio teve curta duração, pois em 1759 o Marquês de Pombal, ministro português, determinou a expulsão dos jesuítas do Reino e demais domínios coloniais, influenciado pela aversão que parte dos pensadores iluministas nutria pela Companhia de Jesus. Segundo o historiador, os bens do colégio foram confiscados pela Coroa no ano seguinte.

"Sob a pressão dos reis de vários países da Europa, o papa declarou extinta a Companhia de Jesus – essa família religiosa foi restaurada em 1814. Os jesuítas retornaram ao Paraná apenas em 1951", completa Seibel.

Para historiador, catequese jesuítica não foi unilateral

O historiador Rafael Diehl relata que os jesuítas acreditavam na veracidade da fé católica e por isso se viam investidos da missão de levar essa crença a todos os povos. "É verdade que os jesuítas buscavam trazer os indígenas à doutrina católica. Agora, se pensarmos em ‘doutrinar’ com um sentido pejorativo, há de se ter cuidado", alerta.

Segundo ele, houve imposições forçadas da fé cristã em alguns momentos localizados na época colonial, "mas as Reduções Jesuíticas não fazem parte desse quadro". "Os jesuítas iniciavam sua evangelização no convívio com os nativos. Concordo que os jesuítas imputaram aos indígenas vários aspectos da cultura europeia, mas mesclando-os com a cultura local, tal como fizeram em outras regiões. A própria celebração das missas nas reduções se dava de forma diferente do que se via na Europa de então", afirma.

Influência

Diehl chama atenção para o fato de que encontros culturais nunca são unilaterais. "As culturas se influenciam mutuamente. O indígena também é sujeito histórico, não foi um simples receptor da doutrinação. Alguns indígenas aceitaram viver sob a fé cristã e nas reduções, enquanto outros não", salienta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.