i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Patrimônio

Catedral ganha repasse para restauração

Decreto da prefeitura libera R$ 4 milhões para obra e encerra caso que privava o templo de receber verba

  • PorJosé Carlos Fernandes
  • 01/12/2010 21:06
O restauro do principal templo de Curitiba levará dois anos e está orçado em R$ 7 milhões | Hedeson Alves/Gazeta do Povo
O restauro do principal templo de Curitiba levará dois anos e está orçado em R$ 7 milhões| Foto: Hedeson Alves/Gazeta do Povo

Na terça-feira à tarde, em cerimônia privada na casa de retiros da Arquidiocese de Curitiba, no bairro Mossunguê, o prefeito de Curitiba Luciano Ducci repassou ao arcebispo dom Moacir Vitti, um decreto assinado que garante para a Cúria o repasse de R$ 4 milhões, destinados ao restauro da Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz dos Pi­­nhais, na Praça Tiradentes, Cen­tro da cidade. A transferência de dinheiro encerra o embate do ano em torno da salvaguarda desse patrimônio histórico.O processo costuma ser de difícil entendimento para leigos. Em miúdos, empreiteiras e construtoras interessadas em construir mais metros quadrados do que o zoneamento permite compram metragem da prefeitura. Esse recurso, até meados deste ano, estava sendo usado para beneficiar creches e não mais o patrimônio, para pesar de quem atua no campo do restauro e preservação. O decreto de Ducci pode trazer novamente a política de "potencial construtivo", como é chamada, à finalidade original: custear a arquitetura antiga de Curitiba.

Embora seja o edifício religioso mais importante e imponente da cidade, erguido em gótico tardio e maço do fausto paranaense do final do século 19, a catedral estava impedida de receber transferência de verba pública. Alegava-se ter sido beneficiária de repasses municipais em outras épocas. A última reforma do templo foi em 1993, quando o prefeito da capital era Rafael Greca de Macedo.

O veto à participação do templo nas políticas de preservação mobilizou a arquiteta Giceli Portela, que atua no setor. Ela é a proprietária e restauradora da Casa Artigas, na Rua da Paz, Alto da XV. Giceli e sua equipe trabalharam um ano no projeto de restauro da catedral. A impossibilidade de ver o templo recadastrado como "unidade especial de interesse de preservação" (Uiep) – como vinha insistindo a Secretaria Municipal de Urbanismo – praticamente inviabilizava a obra, orçada em R$ 7 milhões.

O cônego Genivaldo Ximendes, pároco da catedral, chegou a iniciar campanhas de arrecadação de verbas junto aos fieis e à sociedade organizada. Fez um pequeno fundo de esmolas. Mas logo se deu conta de que a velocidade das doações não acompanhava a rapidez com que o templo se deteriora. A Catedral Basílica, como é chamada, foi inaugurada em 1893. Tem, portanto, 117 anos e está sujeita a atentados diários a sua integridade.

Estima-se que a igreja seja frequentada por cerca de 1,4 mil pessoas dia. A "densidade populacional" pode até não ser das maiores, se comparada às paróquias Nossa Senhora do Guadalupe e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, ambas pontos de peregrinação. Mas são formas de devoção diferentes: em vez de novenas e missas festivas, a catedral permanece como um espaço devocional, onde as pessoas vêm rezar e acender velas.

Um dos maiores problemas da catedral é a fuligem das velas nas paredes, arruinando as pinturas murais dos irmãos Anacleto e Carlos Garbaccio, feitas na década de 1940. Não bastasse, não é possível sustentar um programa de manutenção do templo – o que seria desejável a um prédio centenário. Em reportagem publicada na Gazeta do Povo no primeiro semestre deste ano apurou-se que a paróquia arrecada R$ 25 mil por mês e gasta metade disso para pagar funcionários: há necessidade de segurança diária, por motivos óbvios.

A expectativa de Giceli Portela e do cônego Genivaldo é que a reabilitação da catedral como unidade especial de interesse garanta ao templo uma nova fase. Depois do restauro – que deve durar dois anos – a Cúria deve adotar um programa rígido de manutenção. Espera-se que o prefeito Luciano Ducci encerre seu mandato, em 2012, com missa na "nova" catedral.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.