i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Centro Cívico

Cerca de 250 pessoas protestam contra reajuste da tarifa de energia

Outra reclamação é em relação aos danos causados pela abertura das comportas da Usina Salto Caxias, no Rio Iguaçu, semana passada. Manifestantes se concentram no Centro Cívico

  • PorKelli Kadanus, especial para a Gazeta do Povo
  • 24/06/2014 14:40

Cerca de 250 manifestantes se reúnem na tarde desta terça-feira (24) em frente ao Palácio do Iguaçu, no Centro Cívico, para protestar contra o reajuste da tarifa de energia elétrica da Copel. O ato é promovido pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que já realizou uma manifestação pela manhã em frente ao prédio da companhia, no Batel.

De acordo com Nívea Diógenes, coordenadora do MAB, o reajuste médio de 35,05% aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)é abusivo. "Não precisaria de reajuste", afirma a coordenadora do MAB. "Com o preço atual da tarifa a Copel já tem lucros enormes", completa.

Outra reivindicação do grupo, de acordo com Nívea, é que sejam tomadas medidas pela Copel para reparar os danos de quem foi afetado pela enchente causada pela abertura das comportas da Usina Salto Caxias, no Rio Iguaçu, no Sudoeste do Paraná, durante as chuvas da semana passada. O grupo luta por uma indenização aos moradores de áreas de usina. Além disso, pedem a reconstrução e reposição de toda a infraestrutura particular danificada.

Audiência Pública

Os manifestantes participam de uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) nesta quarta-feira (25), às 9h. Durante o encontro com os deputados, eles devem expor as reivindicações do MAB.

Outro lado

Em nota, a Copel informa que na manhã desta terça-feira (24) recebeu representantes da manifestação que ocorreu em frente à sede da empresa, em Curitiba. "A Companhia já está levantando informações com as prefeituras e a defesa civil da região da Usina Salto Caxias para avaliar quais famílias atingidas pelas enchentes foram prejudicadas pela abertura de comportas da hidrelétrica", diz o texto.

A Copel reitera ainda que a abertura das comportas da Usina de Salto Caxias, no dia 7 de junho, foi corretamente autorizada pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) para aliviar a pressão na barragem da Usina de Salto Caxias, última unidade na cascata do rio Iguaçu. O aumento da vazão foi repentino e violento, sem precedentes na história do rio Iguaçu, e não previsto pelos modelos meteorológicos do Simepar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.