i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

CFM rebate crítica sobre 'taxa' de parto

  • PorEstadão Conteúdo
  • 08/01/2015 17:23

O Conselho Federal de Medicina e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) divulgaram nesta quinta-feira uma nota para rebater as críticas feitas pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, sobre a cobrança de uma taxa extra para acompanhamento de gestantes, no caso de elas optarem pelo parto normal. Terça, o ministro criticou o parecer do conselho, de 2012, que libera profissionais a adotar a prática. Para o ministério, ela é ilegal, deve ser denunciada e inibe a redução dos partos cesáreos.

Na nota, CFM e Febrasgo dizem "lamentar" o desconhecimento da pasta sobre o assunto, que o parecer não tem caráter coercitivo e que ele é uma resposta a uma consulta formulada pela própria Agência Nacional de Saúde Suplementar sobre o tema. "Se o acordo é feito, o profissional recebe honorários do parto somente da paciente. Não há dupla cobrança. O plano não paga", disse o presidente do CFM, Carlos Vital.

As afirmações do ministro foram feitas terça, durante o lançamento de um pacote para tentar reduzir os indicadores de cesárea no Brasil. Em 2013, 80% dos nascimentos na rede suplementar de saúde ocorreram por meio da técnica. Na rede pública, foram 40%. Entre as medidas anunciadas está a obrigação de as operadoras de saúde divulgarem informações sobre porcentuais de cesáreas da empresa, dos hospitais conveniados e de profissionais credenciados a sua rede. "Isso pode provocar distorções. Em instituições especializadas em gestações de risco profissionais que se dedicam a esse atendimento certamente os porcentuais serão mais elevados. É preciso levar esse fato em consideração", disse.

Febrasgo e CFM devem enviar para o ministério uma documento recomendando que alguns pontos do pacote sejam ajustados, entre eles, a informação. A resolução também obriga profissionais a fazerem o partograma, um registro com informações sobre todas etapas de atendimento da gestante no momento do parto. Na nota, CFM e Febrasgo afirmam ainda que ANS deveria exigir a existência que hospitais credenciados aos planos ofereçam equipes médicas com obstetras e anestesistas e infraestrutura suficiente para atender a demanda de gestantes usuárias de planos de saúde. "Essa equipe tem de estar disponível de forma permanente no hospital, em sistema de plantão", disse Vital.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.