i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

Cobrança por uso de recuo em Curitiba fica para semana que vem

Donos de bares consideram abusivo cálculo da prefeitura pelo uso dos “puxadinhos” das calçadas

  • PorDiego Ribeiro
  • 07/01/2015 21:09
 | Henry Milléo/Gazeta do Povo
| Foto: Henry Milléo/Gazeta do Povo

Propostas

A Abrasel e a prefeitura municipal discordam quanto aos valores. Veja a vontade de cada uma:

Abrasel

Para cada metro quadrado de recuo, o proprietário deveria desembolsar por ano em um cálculo total apenas anual: R$ 75: zona central e setores especiais de pedestres; R$ 60: setores históricos da cidade; R$ 45: setores estruturais, como Centro Cívico e Santa Felicidade; R$ 30: demais zonas.

Prefeitura de Curitiba

Para cada metro quadrado de recuo, o proprietário deveria pagar por mês com base em um cálculo mensal: R$ 25: zona central e setores especiais de pedestres; R$ 20: setores históricos da cidade; R$ 15: setores estruturais, como Centro Cívico e Santa Felicidade; R$ 10: demais zonas.

Um novo decreto (n.º11/2015) da prefeitura de Curitiba abriu outro capítulo na briga entre a Secretaria Municipal de Urbanismo e a Associação de Bares e Restaurantes do Paraná (Abrasel) pela regularização dos recuos das calçadas dos estabelecimentos do setor.

O decreto suspendeu a cobrança atual, regulamentada em 2014, e deixou a critério do prefeito Gustavo Fruet (PDT) a decisão sobre qual valor será cobrado pelo município. A cobrança começaria neste ano e exigiria uma taxa anual, mas com cálculo por mês, sobre o metro quadrado do espaço usado irregularmente pelos estabelecimentos.

Pelo decreto anterior, um estabelecimento do Batel que tivesse 100 metros quadrados de "puxadinho" pagaria ao município R$ 30 mil/ano (R$ 25 por metro quadrado irregular multiplicado por 12 meses). O valor ficaria à disposição do Fundo de Recuperação das Calçadas de Curitiba. Pela proposta da Abrasel, o mesmo estabelecimento pagaria R$ 7.500 (R$ 75 por metro quadrado).

Mudança de planos

Os protestos da entidade do setor fizeram o poder municipal mudar os planos. O decreto assinado ontem evita a cobrança, mas a prefeitura não pretende deixar os proprietários dos estabelecimentos usarem os recuos sem pagar. Na quarta-feira que vem, novos valores por metro quadrado serão definidos após reunião entre o secretário municipal de Urbanismo, Reginaldo Cordeiro, e os representantes da Abrasel.

"O que a Abrasel quer é muito pouco, mas vamos conversar", disse o secretário à Gazeta do Povo. Segundo Cordeiro, todas os estabelecimentos que usam recuo já têm notificações administrativas. Esses processos deverão ser arquivados quando a cobrança iniciar. "Tem restaurante que ganha mais no recuo do que dentro do seu espaço", critica Cordeiro.

Apesar da crítica, o secretário acredita que a taxa será boa para todos os lados, inclusive para os bares e restaurantes que regularizarão seus espaços; e para a população, que poderá contar com recursos para as calçadas. O município estimava receber cerca de R$ 2 milhões por ano para investir nos passeios

Medida judicial

A Abrasel aprovou ontem em assembleia dos representantes que, caso o município não aceite sua proposta, os bares e restaurantes ingressarão com mandados de segurança contra a prefeitura de Curitiba. De acordo com o presidente da entidade, Luciano Bartolomeu, há 12 mil estabelecimentos em Curitiba, mas apenas 10% deles usam o recuo. "Se a prefeitura mantiver os valores que querem, vamos questionar o valor abusivo na Justiça".

Bartolomeu avalia que 2015 deve ser um ano difícil para economia e o setor será atingido pela crise. "Estamos muito preocupados", afirma. O valor proposto pela Abrasel tem base na primeira tabela proposta pela prefeitura.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.