i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
fernando martins

Saudades da paccioca e da flunfa

  • Porfernandor@gazetadopovo.com.br
  • 20/10/2015 23:01

Para de fazer paciocca, Fernando Rafael! Ouvi muito isso de minha mãe nos meus tempos de guri. Mães adoram chamar os filhos pelos dois nomes quando dão bronca... Mas isso não vem ao caso agora. Quero falar de paciocca (leia “patioca”). Toda criança adora: fazer bagunça com água e um tanto de sujeira ou terra. Mas nem adianta procurar no dicionário. A palavra não está lá. É uma gíria italiana que chegou por aqui na bagagem dos imigrantes. Só é familiar a alguns descendentes.

De qualquer modo, gostava de pacioccar. Hoje, mais crescidinho, admiro a precisão da palavra: resume em letras escassas algo que só pode ser explicado numa expressão. Essa economia da linguagem me fascina. Trocar duas, três ou mais palavras por uma única.

Como não sou um purista, não vejo problema em importar um termo que não encontra correlato no português. Do inglês, aprecio a graciosidade de serendipity – a felicidade que se encontra ao acaso, sem que estejamos esperando. Do alemão, gosto do termo – veja bem, do termo – schadenfreude. É um sentimento feio, mas todos o experimentam de vez em quando. Fazer o quê? É mais ou menos uma inveja com sinal trocado. Se a inveja é a tristeza pela felicidade do outro, schadenfreude é a alegria pela desgraça alheia.

Não vejo problema em importar um termo que não encontra correlato no português

O português também tem suas palavras que expressam muito em pouco espaço. Gosto do som e da brevidade de triscar – tocar de leve; passar rente, por um triz. Um bom amigo do Norte do país me ensinou outro termo do qual gosto, o regionalíssimo malinar – fazer travessuras, traquinagens.

Desde a adolescência, tenho ainda um carinho especial por flunfa. Não está no dicionário. Mas outro bom amigo topou com ela numa crônica do Luis Fernando Verissimo. Achou-a interessante. Compartilhou o significado comigo e, depois, com outro colega. De repente, nós três percebemos o poder mágico que uma palavra pode ter: muita gente do colégio queria saber o que era. Ficamos importantes. Construímos uma espécie de sociedade secreta só para iniciados que girava em torno do... algodãozinho que se desprende da camisa e se acumula no umbigo. Sim, isso é a flunfa. Aquela brincadeira, afinal, era uma tremenda bobagem juvenil. Mas uma bobagem deliciosa, que ajudou um garoto acanhado a se sentir alguém na multidão.

Gosto também, mas tenho certa vergonha de usar, termos que já começam a pegar pó, de tão pouco usados. Ademais – que substitui com galhardia nossa cotidiana expressão “além disso” – é um deles. Mas nada que se compare a algures, alhures e nenhures – respectivamente, “em algum lugar”, “em outro lugar” e “em nenhum lugar”. Eles dormem profundo nas páginas do Aurélio. Até que alguém os acorda por um átimo (fração de segundo) para dar um oi e matar a saudade.

Saudade. Talvez seja a palavra mais bela e rara de nossa língua. Só nós a temos. E exprime em sete letras algo tão contraditório como a própria vida. É a felicidade de se lembrar de algo ou de uma pessoa de quem se gosta e de sentir ao mesmo tempo a dor de saber que se está distante dela. É uma doce amargura. Uma alegria melancólica. Uma tristeza feliz. Como o que sinto quando me lembro dos tempos da flunfa. Ou de quando fazia paciocca.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.