i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
José Carlos Fernandes

Pela mão de Marthatias Barthelous

Fotógrafo curitibano registra viagem de volta de haitiano ao país devassado pelo terremoto de 2010

  • Porjcfernandes@gazetadopovo.com.br
  • 02/09/2016 00:01
 | Antônio More/Gazeta do Povo
| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

Prezado leitor, enquanto você passa seus olhos ligeiros por essas linhas, o fotógrafo curitibano Brunno Covello, 32 anos, está a 4.313 quilômetros daqui, sendo apresentado ao Haiti pelo imigrante e ex-estudante de Engenharia Mecânica Marthatias Barthelus, 26 anos. Podem estar comendo mangas no pé – abundantes naquelas terras – ou batendo palmas nas portas de Porto Príncipe, tendo em mãos cartas e presentes enviados por sete haitianos que moram em Curitiba a seus familiares.

Os dois partiram no início da semana. As fotos nos aeroportos pelos quais passaram não escondem a verdade dessa travessia – um idílio afetivo em meio à assombrosa era dos refugiados. Uma aventura boa de contar. Um elogio ao carinho entre amigos, daqueles que fariam o psicanalista Erich Fromm abrir um novo capítulo no seu eterno A arte de amar.

O brasileiro Brunno e o haitiano Marthatias se conheceram em novembro de 2014, num dos lugares mais mágicos da capital paranaense – a Praça de Bolso do Ciclista, na esquina das ruas Presidente Faria e São Francisco, no Centro Velho. “Um haitiano me chamou atenção. Ele disse que aquela era a primeira vez que se sentia em casa no Brasil”, lembra Brunno, que fotografou com mesuras o retinto Marthatias – hoje um socialista bom de briga, com pendores para os estudos de antropologia. O que se seguiu foi praxe: o retratado quis saber a que se destinava a imagem e, em vez de dizer um sonoro “não”, pediu uma cópia. Rolou empatia – “ele é meu brother. Gosto do jeito que fala comigo”, resume Marthatias.

Filho do renomado fotógrafo Júlio Covello e da arquiteta Teresa Gomes de Oliveira (in memoriam), referência em programas de habitação popular na cidade, Brunno fez da saga dos haitianos um projeto solo. É sua obra. Iniciou-a com os retratos de uma reportagem sobre racismo e xenofobia contra os então recém-chegados. Sentiu-se convocado a agir. A partir daí, raro um sábado ou domingo que não saia, máquina a tiracolo, para fotografar a saga dos sobreviventes do abalo sísmico que varreu o Haiti em 2010. Perguntem do Brunno a um deles – todos sabem de quem se trata.

Brunno faz mais do que fotografar a saga haitiana, participa dela, com uma generosidade de fazer doer a nossa consciência

A coleção de fotos – hoje com perto de 5 mil imagens – mapeia o cotidiano desse povo em pensões, ocupações irregulares e repúblicas espalhadas pela periferia e região metropolitana. Como os pobres haitianos também se divertem, não faltam registros de folguedos, sempre com cor saindo pelas margens. É conhecida a determinação do fotógrafo em fugir do coitadismo. Em vez de vítimas, mostra seus personagens como vozes, que só quem é bobo se recusa a ouvir. Uma das séries mais impressionantes é a dos casamentos – cuja cênica faz qualquer boda brasileira parecer uma matinê de colégio de freiras. Um desses enlaces ocorreu na capela dos rígidos menonitas do Boqueirão. Também estrangeiros um dia, os alemães e holandeses da colônia não só emprestam seu espaço aos haitianos como começam a partilhar com eles a boa palavra. Essa vida que ninguém vê não é segredo para Covello.

O curioso foi que estivesse no Tatuquara, no Butiatuvinha, em Pinhais ou onde quer que os (talvez) 2 mil imigrantes se distribuem, sempre tropicava em Marthatias. O acaso virou uma mensagem do além. “Martha” virou o parceiro do brasileiro, fazendo-lhe as honras. Há muitos entusiastas da causa haitiana na capital – para citar três, o ativista Igo Martini, à frente da Secretaria Municipal de Direitos Humanos; a educadora Ciomara Amorelli, da Secretaria Municipal da Educação; e o economista Dimas Floriani, da Casa Latino-Americana. Mas talvez ninguém tenha conseguido mais acesso ao cotidiano desses beneficiados pelo visto humanitário que Covello. Ele faz mais do que fotografar a saga haitiana, participa dela, com uma generosidade de fazer doer a nossa consciência.

Meses atrás, em conversa com um dos muitos membros da comunidade, Brunno o convidou para subir até seu apartamento, no Alto da XV, dividido com sua mulher, Amanda, e a cachorra Lola. Formou-se um silêncio chato pra diabo. Não entendeu o vacilo do seu conhecido – pelo menos até saber que, com uns bons três anos de Brasil, o sujeito nunca tinha sido convidado a passar da porta para dentro. Emocionaram-se. Quem conhece Covello sabe da hiperatividade de suas glândulas lacrimais. A “primeira vez” daquele haitiano numa família virou uma epifania, dessas que parecem só existir nos filmes de Frank Capra. Do mundo nada se leva.

A comoção só não foi maior que no dia em que o telefone tocou, na sala do fotógrafo, e do outro lado da linha estava um agente cultural da Caixa Econômica Federal. Não era cobrança de dívida, mas a oferta de um patrocínio. Julgou uma pegadinha, mas que nada. Viu chegar a chance de editar um livro, montar uma exposição itinerante e fotografar um haitiano de volta à terra arrasada por tufões, surtos de cólera, terremotos, miséria e políticos. O escolhido a ir com ele só podia ser um – o onipresente Marthatias Barthelus, com quem tinha visto jogos de futebol, feito rodas de conversa e oferecido o ombro nas horas ruins, incluindo o rompimento com uma namorada brasileira que telefonava sem parar, uma tortura até para amantes dos mares do Caribe. “Amigo, como se diz em créole ‘posso fotografar você’?” Marthatias entendeu o recado: “Diz-se nwen vle fè yon foto pou ou ?”. Viajariam juntos.

Não foi uma decisão sem dor. O convite de Brunno veio no exato momento em que Marthatias tinha cansado de catar papel na ventania. O jovem alto, esportivo, sorriso Kolynos – pinta de cantor de rap do alto das correntes douradas e de um reluzente tênis vermelho – se preparava para embarcar em mais uma navilouca qualquer e entrar nos Estados Unidos. Os relatos sobre quem tentou e se ferrou fariam América, de Gloria Perez, uma novelinha das seis. Há violência, roubo e mortes nessa saga governada por coiotes. Marthatias – com ar grave – diz que não tem saída. Uma hora, vai.

Não há números seguros, mas o que se afirma aqui e ali é que os haitianos estão em fuga para o Chile e para os EUA. A contar pelo que se vê no noticiário, parte do grupo que chegou ao Brasil a partir de 2010 parece em diáspora. Podem estar se tornando nômades, informais crônicos, uma nação à mercê da caridade de estranhos. É fato que muitos entenderam que o Brasil não é para principiantes – a máxima de Tom Jobim – e se puseram mais em estado de luta do que em compasso de tartaruga. Marthatias não assina embaixo essa tese e surpreende ao dizer que os haitianos não estão em marcha para lugar nenhum, como se quer acreditar, mas em caravana de volta para o lar. Levarão conhecimento adquirido no êxodo, e reconstruirão o país. Não é um lobo solitário. Há quem com ele professe a mesma fé – o que faz suspeitar que se está diante de um fato para a história. E, dessa vez, com foto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.