i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Marleth Silva

Aquelas velhas canções que você fez pra mim

  • Pormarleth@gazetadopovo.com.br
  • 18/10/2013 21:03
 |
| Foto:

Tenho um vizinho que faz churrasco quase todo fim de semana. Segue um ritual, que vou decifrando a distância. Enquanto acende o fogo, começa a música. A refeição se desenrola a tarde inteira e a música toca ininterruptamente. Sempre a mesma música. A mesma música... A mesma...

Marisa Monte espalha seus versos animados ("Eu sou de ninguém / Eu sou de todo mundo / E todo mundo me quer bem"), seguida de uns roqueiros dos anos 90 ("Quero um amor maior, um amor maior que eu"). O que me leva a concluir que o vizinho, que não vejo porque está do outro lado de um muro alto, está na casa dos 30. Depois que Marisa finaliza seu estribilho ("Eu nem pensava em ter que esquecer você...") e o barulho dos roqueiros acaba, vêm os pagodes, que desconheço.

No domingo seguinte, o mesmo repertório ("Complicada e perfeitinha, / Você me apareceu.")

As palavras das canções vão e vêm, encobertas por outros ruídos, pelo alarido das crianças, pelas risadas dos adultos ou simplesmente pelas portas que mantenho fechadas. Aliás, risadas e conversas altas incomodam mais que a música. Pois não é que passei a entender melhor meu vizinho ao ler o jornal? Encontrei lá uma entrevista com o pesquisador da Universidade de Washington que estudou o que as pessoas realmente querem quando o assunto é música: novidade ou a velha canção que já sabem de cor?

A resposta, segundo o americano, é a velha canção. As pessoas ouvem sempre as mesmas músicas, exatamente como o meu vizinho. A familiaridade é mais buscada que a novidade, especialmente por aqueles que colocam a música como pano de fundo enquanto se ocupam de alguma tarefa, como dirigir e estudar. Mesmo quem diz que gosta de novidades ouve suas antigas conhecidas a maior parte das vezes.

O estudo foi feito pela escola de negócios, por pessoas que estudam marketing. Qual é a utilidade dele, não entendi a princípio. A publicidade já utiliza as velhas canções a rodo. De Pixinguinha a Frank Sinatra, de Irving Berlin a Beethoven, ninguém escapa. Busquei o texto original da Universidade de Washington e ele se explica melhor. A crítica mais comum às rádios americanas especializadas em música é que elas tocam sempre o mesmo set list e isto estaria condenando-as à extinção. Balela. Quem gosta de novidades vai atrás de novidades, mas cada um a seu modo cultiva inconscientemente uma zona de conforto – que, no caso do meu vizinho, inclui uma picanha na grelha... As rádios devem continuar tocando seus velhos discos, recomenda o pesquisador. "Consumidores hipervalorizam o desejo que têm por novidades" é a última frase do estudo.

Meu palpite? A familiaridade nos faz sentir menos perdidos no mundo. O mundo muda tanto que é reconfortante ouvir algo conhecido, ser capaz de antecipar o próximo acorde, o riff da guitarra que vem em seguida, a estrofe que sabemos de cor.

Tudo faz sentido – menos o gosto musical do meu vizinho.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.