i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Marleth Silva

Tipo assim...

  • Pormarleth@gazetadopovo.com.br
  • 27/09/2013 21:03
 |
| Foto:

Que título feio para uma crônica – dirá o leitor, com toda razão. "Tipo assim" é uma dupla grudenta de palavras, que se ouve toda hora. Uma muleta linguística, da mesma família do "enfim", que já esteve muito em voga e era usado para encerrar uma frase, mesmo que o raciocínio ainda estivesse pela metade. "Não gostei do filme porque... enfim." E você ficava lá, tentando compreender o que foi dito (quando na realidade não havia nada mesmo para ser compreendido) e aturando a expressão de intelectual no rosto do amigo. Porque enfim era chique, ao contrário de tipo assim, que é muito popular.

Meu filho adolescente anda falando muito "tipo assim" ou apenas "tipo". Eu me pego falando também. Dou-lhe um tapinha cada vez que ele deixa escapar um e ele faz o mesmo comigo. Achei que era um problema nosso, um vício familiar. Até me surpreender com pessoas, tipo assim cultas, intercalando suas frases com a lamentável muleta.

"Tipo assim" significa tudo e significa nada. Pode ser eliminado de todas as frases e não faz falta. Mas quem se viciou na dupla não passa sem ela. "Ele é um homem tipo assim bruto", me confidenciou a manicure sobre o novo namorado. "O livro que você quer é tipo este?", me perguntou o rapaz na livraria.

É curioso como um determinado uso de palavras se populariza, se espalha como um vírus, e depois desaparece, como se tivéssemos desenvolvido imunidade. Que desapareça eu entendo e comemoro. Quem vai lamentar o abandono da locução "a nível de..." que se usou anos atrás? Ou do "de repente"? Que descansem em paz. Ainda espero ansiosa que enterrem também o "diferenciado", que tem sido usado para qualquer coisa que se quer elogiar vagamente, imprecisamente. É lindo, sofisticado, único? Não, não é bem isso... É diferenciado!

Como a palavra adquire esse caráter viral é para mim um mistério.

Os argentinos e uruguaios têm uma muleta linguística poderosíssima, que usam a torto e direito. "Este" com a vogal final alongada e o s aspirado, quase inaudível. O "esteee" dos vizinhos parece não significar nada. É só um recurso para ganhar tempo enquanto se organiza as ideias. Mesmo assim, é parte indissociável da fala platina. Não é um modismo nem um lunfardo. Provavelmente até o papa Francisco entremeia suas homilias com o "esteee". Eles não notam que repetem a palavrinha; nós não a entendemos.

Os modismos da língua falada passam e esquecemos completamente deles. Enquanto isso não acontece, meu filho e eu vamos nos estapeando.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.