i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Verissimo

O fim da cisão

  • PorAgência O Globo
  • 10/12/2008 21:01

Por uma questão de viagens e prazos que não vêm ao caso, estou escrevendo antes de saber quem é o campeão brasileiro de 2008. Seja qual for o vencedor, ele não servirá a nenhuma tese como as que dividiam o mundo do futebol até bem pouco tempo entre ofensivistas e defensivistas, e se pareciam em bizantinice com a antiga polêmica sobre a natureza dos anjos que dividia o cristianismo. Não se encontrava um técnico de futebol disposto a confessar que era, sim, retranqueiro, mas também não se sabia de nenhum técnico de futebol que cumprisse no campo uma declarada fé em jogar só para frente. Todos falavam um jogo e jogavam outro.

Hoje se fala e se joga o mesmo jogo e ninguém discute a necessidade de no mínimo quatro no meio-campo, cinco para garantir. Antes havia uma divisão entre torcedores apaixonados e analistas que "enxergavam" o jogo com suposta isenção científica e neste caso o paralelo que cabia não era o cristianismo, mas a religião muçulmana, que tem uma doutrina esotérica, chamada "batin", acessível apenas a uma minoria iluminada, e ensinamentos comuns acessíveis a todos os fiéis, chamados "zahir". No futebol, o "zahir" recomendava o evidente: com cinco centroavantes nenhum time precisa de meio-campo. Já a sabedoria do "batin" só fazia uma concessão: dois em vez de um na frente, desde que um volte para marcar. Hoje "zahir" e "batin" vêem quase o mesmo jogo sem discutir.

Como bem sabe o Francis Fukuyama, que anunciou o fim definitivo da História com a vitória do liberalismo sobre o dirigismo econômico justamente quando a História estava preparando o seu reentre, declarações deste tipo são temerárias, mas pode-se dizer que a velha cisão acabou e a doutrina agora é uma só. Ainda se usa eufemismos como "cuidados defensivos" para justificar um meio-campo superpovoado, mas a verdade é que o campeão brasileiro deste ano não jogou muito diferente do segundo colocado – ou do último.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.