Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O computador do posto de combustível que registrou o acidente envolvendo o ex-deputado Fernando Carli Filho, que resultou na morte de dois jovens em maio do ano passado em Curitiba, vai passar por uma nova perícia. Desta vez, o equipamento será analisado por um perito particular contratado pela família de Gilmar Rafael Yared, uma das vítimas. A primeira audiência do caso começou nesta quinta-feira (4) sem a presença do ex-parlamentar.

No início desta tarde, com autorização da Justiça, o perito Walter Kauffmann teve acesso ao computador que estava em poder a Polícia Científica. O perito já havia analisado as imagens captadas pelas câmeras de segurança do posto, mas não tinha liberação para periciar o computador onde as imagens ficaram armazenadas.

O advogado da família Yared, Elias Mattar Assad, sustenta que houve adulteração nas imagens. O laudo do perito apontou que alguns frames da gravação foram apagados. A principal suspeita é que as imagens tenham sido apagadas para ocultar o envolvimento de outro veículo no acidente.

Kauffman afirmou que há 80% de chance de recuperar as imagens apagadas. "A polícia não tem o software adequado para recuperar os dados que foram apagados do computador", disse o perito. A Justiça concedeu 30 dias para ele analisar o equipamento e apresentar seu laudo.

Relembre o caso

O acidente envolvendo o ex-deputado aconteceu na madrugada do dia 7 de maio. Carli Filho dirigia um Volkswagen Passat de cor preta, que acabou batendo contra um Honda Fit de cor prata. Os ocupantes do Fit, Gilmar Rafael Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20, morreram na hora.

O caso ganhou repercussão nacional após a Gazeta do Povo revelar que Carli Filho tinha 130 pontos na carteira de habilitação e do exame do Instituto Médico Legal(IML) informar que ele conduzia o veículo em estado de embriaguez. O acidente expôs um histórico de multas de políticos e de 68 mil cidadãos que dirigiam com a carteira de habilitação suspensa.

No dia 29 de maio, Carli Filho renunciou ao cargo de deputado estadual. O pedido oficial da renúncia foi encaminhado ao presidente da Assembleia, Nelson Justus (DEM), e Carli Filho perdeu o foro privilegiado. O ex-deputado prestou depoimento à polícia no apart hotel onde estava hospedado em São Paulo no dia 9 de junho. Ele disse não se lembrar de nada do acidente.

No dia 11 de agosto, após três pedidos de prorrogação de prazo, o delegado Armando Braga de Moraes concluiu o inquérito e indiciou Carli Filho por duplo homicídio com dolo eventual.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]