i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
projetos do bem

Conheça o Bobô, o robô-anjo que dá uma aula de inclusão e solidariedade

“Máquina” faz um caminho programado para a ajudar uma aluna com Síndrome de Down e com um problema urinário

  • PorKatia Brembatti
  • 02/09/2016 03:00
Alunos de robótica da Escola Municipal Durivl Britto, em Curitiba | Henry Milléo/Gazeta do Povo
Alunos de robótica da Escola Municipal Durivl Britto, em Curitiba| Foto: Henry Milléo/Gazeta do Povo

Bobô tem menos de 20 centímetros de altura e dois botões em forma de retângulos coloridos, um verde e um vermelho, que indicam, respectivamente, sim e não. Ele é um robô-anjo, especialmente projetado para atender as necessidades de Luana Vitória Brizola de Castilho, de 7 anos. O robô circula, com desenvoltura, pela Escola Municipal Durival de Britto e Silva, no bairro Cajuru, em Curitiba. Faz um caminho programado, feito de retas e curvas marcadas no chão em branco e preto, que vai da sala de aula até o banheiro, para acompanhar a menina, que tem Síndrome de Down e um problema urinário.

Campanha na internet recruta babás para ajudar mães que vão fazer o Enem

Leia a matéria completa

O ajudante de Luana foi feito por estudantes entre 11 e 13 anos, que participam de programa de robótica na escola. Eles aceitaram o desafio, proposto pela diretora Anaí Rodrigues. É que antes de Bobô nascer, Luana precisava de alguém sempre ao seu lado para ir ao banheiro. Surgiu então a ideia de criar um auxiliar robótico, que acabou virando o xodó da menina.

Para a mãe de Luana, Elisete Brizola, o uso do robô ajuda na socialização da menina com os colegas. “Ela gostou desde o primeiro dia que viu. Adora tirar fotos com o robô”, diz. Luana tem uma disfunção miccional. “A bexiga dela não se contrai do mesmo jeito que a nossa. Aí ela segura o xixi. Isso dava infecções constantes”, comenta a mãe.

A menina tem acompanhamento médico e precisava levar anotações sobre a quantidade de vezes que foi ao banheiro e, em quantas delas, conseguiu eliminar a urina. Essas informações eram escritas em um caderninho e agora são computadas pelo robô, que registra os apertos de botões feitos por Luana.

Bobô também ajuda Luana a ter mais autonomia. Antes a menina se perdia facilmente pela escola e precisava andar sempre acompanhada. Agora ela consegue ir ao banheiro sozinha e usa as linhas no chão para se orientar sobre direções. “Ela cuida do robô e o robô cuida dela”, comenta a diretora. Também os colegas de Luana querem usar o robô. Às vezes é organizada uma fila na sala para que todos possam ir ao banheiro acompanhados de Bobô, que promove a solidariedade e a inclusão na escola.

Luana e o “Bobô”Henry Milleo/Gazeta

Da escola para a competição

Anaí conta que todos tentaram dar outro nome para o robô, mas não houve jeito: Luana já tinha escolhido que ele seria Bobô e continuou chamando-o assim. O projeto começou a ser desenvolvido em julho do ano passado. Está na terceira versão – o robô já teve duas rodinhas e agora tem quatro, para ganhar mais estabilidade e melhorar a direção. Está sendo constantemente aperfeiçoado. As peças são parte de um kit da Lego, que custa aproximadamente R$ 3 mil. Em busca de robôs mais baratos e mais programáveis, os alunos começaram a trabalhar com placas de arduinos. A equipe Conectados, responsável por Bobô, é campeã paranaense na Olimpíada Brasileira de Robótica e disputará, neste sábado (3), o bicampeonato.

Em abril, os alunos foram para os Estados Unidos representar o Brasil numa competição de robótica. “Eu era tímida e não me comunicava com as pessoas. Agora consigo falar em público e aprendi a trabalhar em equipe”, conta Monique Nogueira, de 12 anos. O grupo, que escolheu o nome Conectados, se reúne todos os dias, no contraturno escolar. Para fazer parte da equipe é preciso passar por um processo de seleção. Além de programação, estudam filosofia. “Somos incentivados a discutir valores”, conta Maria Eduarda Mello, de 12 anos.

Alguns dos alunos estão no projeto há quatro anos. Já desenvolveram aplicativos para monitorar risco de enchente e formas de recolher e reciclar chiclete, que depois de preparado com gesso e cola, se transformou em peças. Agora a equipe trabalha em um drone semeador, que eles pretendem que espalhe citronela na beira de rios, como medida para afugentar o mosquito da dengue.

O projeto de robótica faz parte das políticas públicas da prefeitura de Curitiba há mais de uma década. Nem todas as escolas fazem parte do projeto. Atualmente, são 80 alunos participantes. O custo do projeto fica restrito ao salário dos professores, pois os kits adquiridos no passado permitem que os protótipos sejam desmontados e novas propostas sejam executadas.

Lutando sumô e jogando futebol, robôs competem neste sábado na Olimpíada de Robótica

A etapa estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) acontece nesta sexta (2) e sábado (3) no Centro Politécnico da UFPR. Neste primeiro dia, a competição é voltada para estudantes de ensino médio. No sábado é a vez dos alunos do ensino fundamental. Da competição sairão as duas equipes que representarão o Paraná na etapa nacional.

Só entre os competidores são esperados mais de mil participantes, vindos de instituições públicas e privadas. Mas o evento é aberto também ao público em geral, que pode prestigiar as disputas e prestigiar palestras, com a que discutirá as novas tendências do setor, e workshops, que ensinam desenvolvimento e programação. O coordenador estadual da OBR, Marcos Laureano, comenta que haverá também demonstração de robôs humanoides que jogam futebol e outras disputas, como campeonato de sumô e cabo de guerra.

Olimpíada Brasileira de Robótica

Dias 2 e 3 de setembro*
Das 8 às 17 horas
Ginásio do setor profissionalizante do Centro Politécnico da UFPR

Rua Alcides Vieira Arcoverde, 1225.
Entrada franca

* as lutas de robôs acontecem apenas no sábado

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.