i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Questão agrária

Coronel vai à Justiça contra ação do MST

Área de militar, acusado de liderar milícias armadas para combater sem-terra, está ocupada desde o sábado

  • PorMaria Gizele da Silva, da sucursal
  • 07/02/2010 21:06
Sem-terra em área ocupada: Justiça decidirá sobre posse do terreno | Henry Milleo/ Gazeta do Povo
Sem-terra em área ocupada: Justiça decidirá sobre posse do terreno| Foto: Henry Milleo/ Gazeta do Povo

Ponta Grossa - O tenente-coronel reformado da Polícia Militar Waldir Copetti Neves entrou ontem com um pedido judicial de reintegração de posse da Fazenda São Francisco II, localizada no município de Ponta Grossa. A área, reivindicada por ele, está ocupada por 200 pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra desde o sábado. A propriedade da terra é discutida. Segundo os sem-terra, a área pertence à Empresa Brasileira de Pesquisas Agro­­­pecuárias (Embrapa).

O advogado de Copetti, Carlos Eduardo Martins Biazetto, afirma que a área é de seu cliente e pretende conseguir liminar para retirar os ocupantes do local o mais cedo possível. A Polícia Militar, que por enquanto atua apenas para evitar confrontos entre os seguranças da fazenda e os sem-terra, diz que só fará a retirada dos ocupantes caso receba ordem da Justiça.

A área, de 33 alqueires, foi tomada no sábado de madrugada pelos sem-terra. Segundo a Polícia Militar, não havia risco de conflito ontem, mas o tenente-coronel da reserva passou o domingo instalado na divisa da ocupação, sob um guarda-sol. Segundo Vanda de Assis, representante do MST, o ex-policial vigiava os passos dos sem-terra. Biazetto diz que a presença de seu cliente é perfeitamente normal. "A área é dele, ele está lá", diz.

De acordo com Vanda, as famílias estão chegando ao local para instalar seus barracos. A ocupação, segundo ela, é por tempo indeterminado.

A fazenda foi arrendada para a produção de soja, feijão e milho. O arrendatário, Elmir José Groff, diz que ainda não calculou os prejuízos caso perca a produção. "Eu acredito na Justiça e nesse caso espero que ela aconteça", disse. Segundo Vanda, a intenção dos sem-terra é esperar a colheita dos grãos, destiná-la à Embrapa e iniciar a preparação da terra dentro do conceito agroecológico.

A ocupação registrada no sábado foi a terceira na área em cinco anos. Junto com a São Francisco I, a área foi invadida em agosto de 2005 e em maio de 2007 sob a mesma alegação: a suposta grilagem de Copetti Neves nas terras da União. Nas ocasiões anteriores, a Justiça ordenou a retirada dos sem-terra.

A rivalidade entre o MST e Ne­­­ves vem desde esse período. O ex-policial é acusado de comandar um grupo de milícias criado para enfrentar sem-terra. Neves foi condenado pela Justiça Federal, em dezembro do ano passado, a 18 anos e 8 meses de prisão, perda do posto na corporação e multa de R$ 20 mil. Mas como a decisão foi em primeira instância, ele recorre da sentença em liberdade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.