i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

Cota para sacoleiros anima comerciantes

Criação de taxa especial pode legalizar comércio fronteiriço

  • PorDenise Paro
  • 23/05/2007 18:44
Tesla Roadster 100 é vendido por US$ 98 mil nos EUA | Divulgação/ Tesla Motors
Tesla Roadster 100 é vendido por US$ 98 mil nos EUA| Foto: Divulgação/ Tesla Motors

Foz do Iguaçu – A possibilidade de os governos do Brasil e do Paraguai estabelecerem um imposto especial para os sacoleiros adquirirem mercadorias importadas deu um novo ânimo ao comércio de Ciudad del Este, fronteira com Foz do Iguaçu. Os lojistas do país vizinho sentem-se prejudicados com a queda nas vendas, processo resultante do arrocho na fiscalização da Receita Federal (RF). Eles vêem no regime tributário diferenciado uma forma de mudar a imagem da região e legalizar definitivamente o comércio fronteiriço.

A proposta foi anunciada durante a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Assunção, na última segunda-feira. O Paraguai, por meio do presidente Nicanor Duarte Frutos, propôs uma cota anual de R$ 300 mil com imposto de 18%. Já o Brasil sugere cota anual de R$ 120 mil e a manutenção do imposto de 50%, que atualmente é cobrado em todas as compras que ultrapassam o limite de isenção de US$ 300 mensais. A vantagem para os sacoleiros seria que eles poderiam comprar produtos para revenda (em série). Lula estipulou prazo de 30 dias para a equipe econômica brasileira posicionar-se sobre o assunto.

Para o secretário da Associação dos Vendedores Ambulantes Autônomos de Foz do Iguaçu, Walter Negrão, que há 10 anos luta por transformar o sacoleiro em microimportador e já encaminhou projetos nesse sentido para Brasília, o ideal seria a cota quinzenal de US$ 1,5 mil com taxa de imposto de 10%. "Penso no pequeno sacoleiro."

Na visão do comerciante Ali Hijazi, que há 20 anos vende produtos eletrônicos em Ciudad del Este, a chamada "legalização dos sacoleiros" reveste-se de verdadeiro incentivo para o comércio de Ciudad del Este, que amarga a cada ano queda nas vendas. Segundo ele, caso a taxa especial seja implantada, o número de compristas na cidade aumentará porque os sacoleiros poderão viajar tranqüilos sem medo de perderem mercadorias nas rodovias. "Isso vai deixar o comércio transparente. Será melhor para o sacoleiro pagar imposto do que fazer o contrabando de mercadorias", diz.

Para o comerciante e exportador de Foz do Iguaçu, Mohamad Barakat, a proposta feita pelo Paraguai é ponderada. "Para sacoleiro, imposto de 50% é caríssimo. Para haver equilíbrio, o ideal seria limite de R$ 150 mil ao ano com imposto de 18%", diz. A possibilidade da medida entrar em vigor está sendo duramente criticada por empresários de São Paulo, que sentem diretamente a concorrência do comércio de importados do Paraguai.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.