i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
pesquisa

Curitiba é a 4.ª melhor capital brasileira para quem tem mais de 60 anos

Levantamento coloca capital em destaque entre os melhores municípios para curtir a aposentadoria, mas também revela problemas que precisam ser enfrentados

  • PorDurval Ramos
  • 07/03/2017 22:30
Finanças, habitação e saúde são os destaques de Curitiba para a população acima dos 60 anos | Brunno Covello/Gazeta do Povo/Arquivo
Finanças, habitação e saúde são os destaques de Curitiba para a população acima dos 60 anos| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo/Arquivo

Curitiba se destaca como uma das melhores cidades para se viver após os 60 anos. Segundo o Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade (IDL), a capital paranaense ocupa a 13.ª colocação em um ranking com os 150 grandes municípios do país – a 4.ª entre as capitais. No entanto, apesar do bom desempenho, a cidade ainda tem muitos desafios pela frente para garantir uma boa qualidade de vida para quem já está na terceira idade, tais como nas áreas de segurança e distribuição de renda.

Confira abaixo alguns dos problemas da cidade apontados pela pesquisa

TOP 15: Confira as 15 melhores cidades do Brasil para a terceira idade

Organizado pelo Instituto de Longevidade Mongeral Aegon e a Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV/EAESP), o levantamento leva em consideração sete aspectos relacionados à qualidade de vida nessa faixa etária, como cuidados com saúde, finanças, cultura e engajamento, bem-estar, habitação, trabalho e cultura. Para esses cálculos, a pesquisa usou dados públicos do IBGE, Datasus, do Tesouro Nacional e do Banco Central. Os aspectos culturais e de educação também tiveram bons resultados.

E foi na parte financeira que Curitiba mais se destacou. De acordo com o IDL, a capital paranaense possui um número reduzido de pessoas consideradas de baixa renda, além de um elevado nível de desenvolvimento social.

Além disso, o desempenho nos cuidados com a saúde também chamam a atenção. Segundo o levantamento, a capital paranaense tem o maior número de hospitais com afiliação com escolas médicas, além de contar com um bom número de equipamentos de diagnóstico, médicos e enfermeiros e de internações clínico-cirúrgicas de alta complexidade.

Outras cidades paranaenses

Ainda dentro das 150 maiores cidades brasileiras, outras paranaenses aparecem na lista. Maringá, por exemplo, ocupa a 18ª posição no ranking, com destaque em educação e trabalho, cuidados de saúde e finanças. Londrina está na 23ª colocação. Já Ponta Grossa, Cascavel, São José dos Pinhais e Foz do Iguaçu também figuram entre as 50 melhores cidades para aposentados.

Já em relação aos municípios menores, com população entre 50 mil e 100 habitantes, o Paraná conta com mais representantes. É o caso de Pato Branco (11ª), Marechal Cândido Rondon (27ª), Francisco Beltrão (37ª) e Cianorte (38º).

Isso tudo coloca Curitiba como a quarta melhor capital da lista, atrás apenas de Florianópolis, Porto Alegre e Vitória. Segundo o gerente institucional do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon, Antônio Leitão, isso reflete o que outras pesquisas já indicaram sobre a melhor qualidade de vida que os estados das regiões Sul e Sudeste oferecem. Em termos de comparação, São Paulo ocupa a 19.ª colocação e o Rio de Janeira a 24.ª.

Muitos desafios

Só que isso não quer dizer que a cidade seja perfeita para a terceira idade. “O ranking é feito para criarmos uma ordem, mas não quer dizer que uma cidade com boa colocação não tenha problemas”, explica Leitão. “Todas as cidades têm o que melhorar e aprimorar e a gente identifica isso em Curitiba. Não é tão preto no branco”.

Para o especialista, o bom posicionamento da cidade não é motivo para “colocá-la em um pedestal”, já que os índices apontam uma série de desafios que ainda precisam ser vencidos para garantir uma melhor qualidade de vida para quem tem mais de 60 anos. Embora Curitiba seja a sétima cidade melhor avaliada no quesito Finanças, o mesmo aspecto revela um enorme índice de desigualdade social que precisa ser trabalhado. A carga tributária é outro grande desafio a ser vencido, principalmente pelo baixo investimento vindo do poder público.

A a segurança segue preocupante. Curitiba é apontada pelo IDL como a 12.ª cidade mais violenta do ranking. Embora a frequência das ocorrências contra idosos esteja bem abaixo da média nacional, o índice relacionado a homicídios por arma de fogo contra essa população assusta. A pontuação média das cidades é de 71,5 e Curitiba conseguiu uma nota 66,5, o que lhe garantiu a 95.ª posição. Com relação à violência no trânsito, a capital paranaense está na 76.ª colocação.

De acordo com Leitão, o objetivo dos índices é servir de norte às prefeituras, mostrando quais aspectos ainda precisam ser melhorados a partir dessa perspectiva voltada à terceira idade. “Queremos que o IDL seja entendido como uma ferramenta para a gestão pública, orientando para melhores resultados”, revela o especialista. “Todo o levantamento é feito a partir de dados públicos que estão dispersos. É difícil fazer essa integração e relação. A nossa ideia, portanto, é facilitar o acesso a esses dados”.

Tanto que a proposta, conforme ele detalha, é fazer esse tipo de pesquisa a cada dois anos para acompanhar a evolução de cada município em cada um dos índices avaliados. “Essa é a primeira vez que fazemos o IDL e escolhemos um ano de início de mandatos exatamente para ajudar nessa orientação”, explica.

  • 1. Santos-SP
  • 2. Florianópolis-SC
  • 3. Porto Alegre-RS
  • 4. Niterói-RJ
  • 5. São José do Rio Preto-SP
  • 6. Ribeirão Preto-SP
  • 7. Jundiaí-SP
  • 8. Americana-SP
  • 9. Vitória-ES
  • 10. Campinas-SP
  • 11. Blumenau-SC
  • 12. Presidente Prudente-SP
  • 13. Curitiba-PR
  • 14. Bauru-SP
  • 15- Araraquara-SP
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.