Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A rede municipal de ensino decidiu manter as duas se­­manas de férias de inverno, apesar da preocupação com uma possível nova onda da gripe A(H1N1), conhecida co­­mo gripe suína. Nas escolas particulares, a tendência é adotar três semanas de recesso durante o mês de julho. Na terça-feira, a Secretaria de Es­­tado da Educação anunciou a ampliação das férias de in­­verno para um mês.

Para os estudantes da rede municipal, as aulas iniciam em 10 de fevereiro. Os 15 dias de férias em julho ocorrem entre os dias 12 e 26 e o ano letivo termina no dia 11 de dezembro. A Se­­cretaria Mu­­nicipal de Edu­cação optou por não programar mais dias de recesso e aguardar orientações da Se­­cretaria Municipal de Saúde. Apesar disso, as datas podem ser alteradas para conter o avanço do H1N1.

Nas escolas particulares, cada instituição define seu calendário e suas orientações em relações à saúde, mas, de forma geral, o recesso de três semanas está garantido. O presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe-PR), Ademar Batista Pereira, afirma que a instituição fez uma orientação às escolas sobre o vírus. Apesar disso, não há preocupação porque a situação está controlada. "Es­­tamos acompanhando a gripe A no Hemisfério Norte e a qualquer sinal de mudança podemos rever o quadro", afirma. O recesso de três semanas também foi incentivado porque haverá jogos do Brasil na Copa do Mundo.

No Colégio Acesso, alunos terão palestras já no início das aulas para debater a gripe A. "No ápice da gripe todos focavam a prevenção, mas, com o verão, os alunos relaxaram. Queremos intensificar a necessidade de higiene desde já", diz a diretora pedagógica, Adriana Franco.

Para o infectologista Sérgio Penteado, a princípio, o ideal é que o afastamento das aulas fosse em datas iguais, para diminuir o contato na época epidemiológica de maior risco. Ele acredita que em 2010 o Brasil sofrerá menos com o H1N1, já que o sistema público está preparado e ainda haverá vacinação em massa. "Em 2009 levamos azar porque o pico de contágio ocorreu no período mais rigoroso do inverno. Este ano estamos preparados", analisa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]