i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rio de Janeiro

Defensoria denuncia suposto abuso policial em ação na aldeia Maracanã

Defensores classificaram de precipitada e desastrosa a operação da PM, que nesta sexta-feira (22), retirou indígenas do antigo Museu do Índio

  • PorFolhaPress
  • 22/03/2013 16:10

As Defensorias Públicas da União e do Estado do Rio vão denunciar ao Ministério Público Federal e à Corregedoria da Polícia Militar o suposto abuso de autoridade policial cometido durante a reintegração de posse da aldeia Maracanã. A ação ocorreu na manhã desta sexta-feira (22), ao lado do estádio do Maracanã, no Rio.

De acordo com os defensores, a Polícia Militar do Rio invadiu o local antes do prazo indicado pelos índios. "Eles [índios] haviam pedido mais dez minutos, mas a polícia invadiu de forma precipitada, desastrosa, amadora, que causou um alerta geral", disse o defensor público federal Daniel Macedo.

Os defensores vão requerer imagens de veículos de comunicação (jornais, TVs e portais de notícias) na tentativa de identificar quem deu o comando de invasão do local. O Ministério Público Federal informou em nota que a PM agiu com "evidente força desproporcional".

De acordo com o defensor público estadual Henrique Guelber, o comando da PM se prontificou a apurar os supostos abusos. "A polícia alegou incêndio e obstrução de via para agir com truculência, mas isso não aconteceu. A saída estava tranquila, organizada, mas houve precipitação da polícia", disse.

Macedo afirmou que as defensorias estavam no local para garantir que a decisão da Justiça Federal fosse cumprida com tranquilidade, o que, segundo ele, não ocorreu. "Entraram com truculência. Estávamos lá para garantir tranquilidade, mas acabamos atingidos por gás de pimenta", disse.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), disse que a versão dada pela PM para entrar na aldeia não aconteceu. "Foi uma ação desastrosa, irresponsável e despreparada. Vamos juntos oficiar cópias das imagens para identificar os responsáveis pelas ações", disse.

Confronto

Um grupo de cerca de 300 pessoas entrou em confronto com a polícia na tarde de hoje em frente à Assembleia Legislativa do Rio. Eles protestavam contra a retirada dos indígenas do antigo museu do Índio, na Tijuca (zona norte). Ao menos cinco pessoas foram detidas.

De acordo com relatos ouvidos pela reportagem, o grupo fechou por alguns minutos a avenida Primeiro de Março, por volta das 15h. Eles jogaram as grades de proteção de Alerj na pista e ocuparam a via. Houve confronto com policiais e reclamações por suposto abuso de uso da força.

"A repressão foi muito dura. A ação não foi de acordo com o número de pessoas que estão protestando", disse o professor universitário André Videira.

Um dos manifestantes foi arrastado pelo pescoço por toda extensão da praça 15. Segundo a polícia, ele danificou uma viatura e agrediu uma policial feminina.De acordo com relatos, um policial disparou uma arma de choque (conhecida como "taser") contra um dos manifestantes. As pessoas detidas foram levadas para a 5ª DP (Gomes Freire).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.